A obesidade é uma doença que tem afetado a saúde de muitas pessoas em diversas nações. No dia a dia encontramos muitas pessoas com sobrepeso ou obesas. O que tem causado tudo isso? A resposta pode estar nos péssimos hábitos alimentares, onde se incluem os famosos sanduíches, biscoitos, refrigerantes, massas, bebidas em excesso, entre outros.

O aumento de gordura no corpo, causado pelo consumo excessivo de calorias na alimentação, pode resultar em obesidade. A mesma é identificada através do cálculo de índice de massa corporal (IMC), em que é feita uma divisão considerando o peso da pessoa, em quilos, e a sua altura.

Hoje em dia há crianças que já nascem com sobrepeso, comprometendo assim a sua qualidade de vida e desenvolvimento, com riscos de aumento de peso, doenças cardíacas e diabetes.

Publicidade
Publicidade

Os bons hábitos alimentares trazem grandes benefícios à vida e à saúde desde cedo, quando a alimentação é adequada para a criançada. Pesquisas mostram que vários países fazem já investimentos no controle da obesidade. E quando isso não acontece os gastos no futuro serão maiores: muitas pessoas na busca de tratamentos e cirurgias, internações e medicações caras para o tratamento de diversas doenças.

No Brasil, o aumento da obesidade tem preocupado o governo e a classe médica. Há ainda o preconceito que essas pessoas enfrentam no mercado de trabalho e nos acessos aos meios de mobilidades urbanas, como nos ônibus, trens e metrôs. O corre-corre diário para o trabalho, a faculdade, os cursos e outras atividades, tomam o tempo de muitas pessoas que depois são levadas a fazer uma alimentação rápida e muitas vezes nem um tanto saudável.

Publicidade

A maioria das mães tem necessidade de trabalhar para complementar suas rendas, não tendo assim a oportunidade de amamentarem seus filhos dentro do período aconselhado (pelo menos durante os seis primeiros meses de vida). Isso leva a que as crianças tenham contato com o açúcar e massas, que são muito prejudiciais à saúde. Portanto, são necessários investimentos em campanhas institucionais orientando a população para as mudanças de seus hábitos alimentares. Caso contrário, teremos mais pessoas doentes por causa dessa doença silenciosa, que é o excesso de peso.