Mais uma homenagem em forma de estátua se materializa. Dessa vez é o maestro, cantor e compositor Antônio Carlos Brasileiro de Almeida Jobim, o Tom Jobim, que ocupará um espaço na calçada da praia de Ipanema, no Rio de Janeiro. A homenagem vem na data dos vinte anos da morte do brasileiro que conseguiu colocar um pedacinho de nossa música nos mais representativos locais da música popular mundial.

Carioca nascido na zona norte, ainda criança mudou-se para a então distante Ipanema. Praia que viria a ser cantada por ele no restante de sua vida.

E é lá no Rio de Janeiro que estão as estátuas do poeta mineiro Carlos Drummond de Andrade e do compositor e cantor baiano Dorival Caymmi, no calçadão da praia de Copacabana; da atriz Brigitte Bardot, na praia da Armação de Búzios; do jornalista Zózimo do Amaral, na praia de Leblon; de Michael Jackson, no Morro de Dona Marta; de Frederic Chopin, na praia da Urca, do também jornalista Ibrahim Sued, na calçada do Hotel Copacabana Palace, só para citar alguns dos companheiros do recém-chegado Tom Jobim.

Certamente, e infelizmente, ele será vítima da falta de educação social que teima em acompanhar as sociedades que ainda caminham para a civilidade. Poderemos esperar, com sorte, somente algumas pichações esporádicas, como aconteceu com muitas das estátuas citadas. Outras tiveram menos sorte e foram danificadas. Que sejam sempre recuperadas em caso de dano.

O importante é que sempre sejam feitas novas homenagens para que as pessoas aprendam a valorizar a memória cultural e sua própria história. Claro que há algumas homenagens que deixam em dúvida o valor da ação, feita no calor de uma exposição midiática de muita intensidade, mas de pouca profundidade cultural. De qualquer forma vale a manifestação. Circo é passageiro, e é bom exatamente por causa disso.

De uma em uma, a cidade acaba ficando repleta de pontos de apoio ao #Turismo e de portais de acesso à cultura. Seja na música, na literatura, nos esportes, ou em qualquer outra arte como o cinema, a dança, por exemplo, tais homenagens dão mais beleza à cidade que aquelas feitas para relembrar nomes de generais ou marechais que chegaram à glória de entrar nos livros de história através de muitas mortes em guerras. O exemplo da paz é sempre mais benéfico e educativo que o advindo da violência, mesmo que justificada em nome da soberania nacional. Agora que a Nação não vive mais momentos tensos na política, que elejamos os verdadeiros pacificadores do povo, que são aqueles que fazem de seu trabalho o lazer de milhões de outros brasileiros. Com sua arte eles conseguem transcender tempos e espaços, e alcançar culturas, ideias e valores diferentes e distantes, e mostram que a arte é universal e prazerosa. Para quem alcançá-la, ou para quem for alcançado por ela.

Parabéns à cidade do Rio de Janeiro por mais essa homenagem a um grande Brasileiro -Tom era Brasileiro até no nome - e por deixar a urbe mais bonita e charmosa. Que outras cidades fiquem estimuladas e copiem o exemplo.

Só não podemos deixar de divulgar a vida e a obra desses homenageados, senão corremos o risco de criarmos tão somente descansos diferenciados para os pombos. #Famosos