No corre-corre do dia a dia não é incomum nos esquecermos dos pequenos momentos que podem fornecer encanto e magia ao cotidiano. A agitação diária e a necessidade de transformar constantemente o tempo em dinheiro, nos faz perder a percepção dos pequenos e inexoráveis instantes que formam e dão sentido ao existir e garantem que a vida seja mais que uma sucessão de momentos fastiosos. Seja do partilhar do café da manhã com aqueles que apreciamos, a uma caminhada no parque no fim da tarde, inúmeros são os momentos que podem surgir como uma fuga da banalização do nosso tempo.

Músicos, poetas, artistas em geral buscam cristalizar em suas obras pequenos instantes, fugazes, transitórios, mas carregados de significados que conferem sentido e qualidade à existência humana.

Publicidade
Publicidade

Vivemos tempos de crescente conhecimento, que esbarra na igualmente crescente solidão, impaciência, monotonia, infelicidade. São tempos tediosos, em que se tem tudo ao alcance das mãos, mas o básico cada vez mais distante. O simples e corriqueiro tornou-se artigo de luxo. São poucos os que sabem vivenciar a simplicidade em sua plenitude e valorizar a sublimidade daquilo que não tem valor de mercado. Nem todos sabem diferenciar "não ter preço" de "não ter valor". E, enquanto alguns ainda procuram a felicidade na prateleira de mercados ou encapsulada em alguma farmácia, outros estão buscando no simples, comum, aparentemente banal, algo que tenha valor por si só, algo que valha a pena ser "cultivado" pelo simples fato de fazer parte daquilo que nos encanta.

E, nessa sacralização do banal, o pôr do sol se apresenta como o momento favorito do meu dia.

Publicidade

É de minha pequena, apertada e barulhenta varanda que observo o sol ir dormir... E, atônita com cada espetáculo, não me canso de fotografar o êxtase mágico desse momento diário, tão visível a todos, tão imperceptível a muitos... O sol se vai, deixando no observador atento a certeza de que a vida é esse ciclo perene de mortes e recomeços, essa renovação dúbia, porque constante, mas sempre mutável, assim como nós... #Dicas