A França conta com uma população entre 30 a 40 mil pessoas anoréxicas. Dentro deste número, as mulheres correspondem a 90%. De olho nestes números alarmantes, a Assembleia Nacional Francesa no dia 03 de abril aprovou lei que pune as agências de #Moda que contratarem modelos abaixo do IMC (Índice de Massa Corporal), pois, segundo os parlamentares, as pessoas fora deste padrão estão desnutridas e com a saúde em risco.

A partir de agora as agências que contratarem modelos terão de verificar o IMC. Se estiver abaixo da média, a modelo não poderá ser contratada e, consequentemente, não poderá desfilar nas passarelas. Para se certificar que as modelos não estão desnutridas, as agências terão de providenciar laudo médico com as informações referentes à altura e o peso das modelos, afim de ser verificado o IMC.

Publicidade
Publicidade

Para quem descumprir a lei, a multa prevista é no valor de 75 mil euros, além da pena de prisão de até seis meses.

A medida foi apresentada na Assembleia pelo deputado socialista Olivier Véran, o objetivo é acabar com a imagem de "modelos esqueléticas" e o impacto que essas imagens transmitem às mulheres, principalmente, as adolescentes. Segundo Véran, há estudos que comprovam a grande influência da indústria da moda neste tipo de distúrbio alimentar.

A apresentação desta lei faz parte de uma série de medidas sobre saúde, oriundas do executivo francês. Outras propostas estão sendo analisadas, como a que prevê o crime de incitação à anorexia, já aprovada na câmara, mas aguarda aprovação do senado. Se esta lei for aprovada, poderão ser condenados àqueles que "incitarem a busca pela magreza excessiva, estimulando restrições alimentícias prolongadas que tenham como efeito expor ao risco ou comprometer diretamente a saúde".

Publicidade

O objetivo desta tipificação penal é deter os sites que promovem a anorexia como um "estilo de vida" e que negam se tratar de uma doença.

Há, entretanto, aqueles que consideram a lei inconstitucional, como o sindicado das agências. Segundo o sindicato, a lei promove a discriminação na contratação, além de ter o peso voltado exclusivamente para as agências de moda. Dizem ainda, que a lei não esclarece o que é magreza e anorexia, o próprio resultado do cálculo do IMC ainda não foi estabelecido.