A briga dos utilitários-esportivos (SUVs) compactos segue cada vez mais disputada, mas quem pretende comprar um modelo deste segmento deve pensar bem antes de assinar o cheque. Afinal, enquanto algumas opções estão em alta, outras começam a ‘micar’, como se diz na gíria do mercado. A dupla formada por Ford EcoSport e Renault Duster, que reinou absoluta até a chegada do Honda HR-V e do Jeep Renegade, já começou a perder terreno e a tendência é para que perca ainda mais.

O consumidor deve ter em mente que, junto com a retração comercial, EcoSport e Duster vão perder prestígio e, consequentemente, valor de revenda. Definitivamente, não é hora de ‘investir’ em nenhum dos dois.

Publicidade
Publicidade

Os SUVs da Ford e da Renault tinham, nos primeiros seis meses de 2014, uma participação combinada de 34,5% nas vendas da categoria. No mês passado, essa fatia já havia caído para 21,4%, enquanto só o HR-V, sozinho, abocanhou 20,1% do bolo do segmento.

A política de descontos que Ford e Renault anunciaram para EcoSport e Duster – este último teve seus valores reduzidos em até R$ 3.000 – não surtiram efeito na primeira quinzena deste mês e ambos devem fechar o período atrás de HR-V e Renegade. Reverter esse quadro é, praticamente, impossível e nem mesmo a reestilização que a Ford vai promover em seu utilitário-esportivo, em 2016, vai mudar sua curva.

A verdade é que, depois de inaugurar este nicho, no Brasil, o clico de vida do EcoSport parece ter chegado ao fim. Até mesmo o estepe “pendurado” para fora na tampa do porta-malas, que foi sua assinatura durante mais de uma década, hoje está fora de moda.

Publicidade

Já para estancar o sangramento do Duster, a Renault agiu rápido e apresentou, nesta semana, sua primeira variante, a picape Oroch. O problema é que ela só chega nos revendedores em outubro, quando a hemorragia pode ter tomado conta do modelo.

Outro problema é que o Duster Oroch não deve chegar às lojas por menos de R$ 70 mil. Difícil, será convencer o consumidor desta faixa de mercado a gastar quase R$ 100 mil em uma caminhonete que não tem, nem de longe, a mesma robustez das picapes médias, como Chevrolet S10, Ford Ranger e Toyota Hilux. Nascida com cabine dupla, ela pode até roubar vendas das versões esticadas de Strada e Saveiro mas, pelo mesmo preço de um HR-V, o cliente teria que estar foram de si para levar uma derivação no lugar do novo queridinho do Brasil.

Já o Peugeot 2008, bom, este parece que nasceu para mico e, enquanto revistas e cadernos especializados andaram indicando o ‘crossover’ da marca do leão como a melhor opção entre os lançamento da categoria, apenas 365 corajosos brasileiros selaram seu casamento com ele, na primeira quinzena deste mês. Difícil, vai ser na hora do divórcio. #Negócios #Automobilismo #Opinião