Gerações inteiras cresceram acreditando que o único tipo de #cabelo que poderia ser considerado bonito é o liso e, talvez, o ondulado. Dessa forma, qualquer cabelo que possuísse volume poderia ser considerado como "desarrumado" e "feio". Os cabelos crespos, também chamados cabelos afro, eram os famosos "cabelos ruins", considerados indesejáveis e carentes de um processo químico de alisamento.

Todavia, isso hoje mudou: a própria #Internet promoveu uma campanha para o rompimento desse padrão de #Beleza. Várias pessoas levantaram a voz para dizer que seus cabelos são lindos do jeito que nasceram e que não precisam mudar a própria natureza para ter autoestima.

Publicidade
Publicidade

Prova disso são as famosas youtubers Rayza Nicácio e Ana Lídia Lopes, que fizeram vídeos exclusivos sobre o assunto.

Transição capilar

Transição capilar nada mais é que abandonar os processos químicos utilizados nos cabelos. Como já mostrou youtuber Mari Morena, o alisamento pode trazer malefícios aos fios e à saúde de quem usa. No entanto, a vontade de usar os fios do jeito que vieram ao mundo não é apenas uma questão fisiológica, pois é também matéria de autoaceitação e autoestima.

Mas, para se submeter à transição, quem opta por esse caminho deve saber que o processo é árduo. O cabelo ficará com duas texturas: a natural e a alisada. Logo, toda a paciência disponível será necessária.

Já quem opta por se livrar da química de uma vez recorre ao chamado "Big Chop" ou, em português, "Grande Corte".

Publicidade

Com esse corte de cabelo, a pessoa opta por deixar as madeixas curtas de forma a abandonar todas as partes que sofreram processos químicos. É, sem dúvidas, uma decisão ousada.

O fenômeno também passa pelas redes sociais

Há inúmeros grupos no Facebook em que milhares de pessoas compartilham suas dúvidas capilares, seja para mostrar como está a transição ou para pedir dicas de produtos. Neles, os internautas incentivam uns aos outros a assumirem os próprios cachos e a cuidá-los da melhor maneira possível. Um bom exemplo é o grupo "Cacheadas em Transição", que já conta com mais de 125 mil membros.

As empresas se adaptam

Quem está acostumado a frequentar lojas de cosméticos deve ter notado uma diferença na seção de produtos para cabelo. Antes, as empresas lançavam apenas alguns itens direcionados ao cuidado dos cabelos não lisos. Nos últimos meses, no entanto, várias marcas lançaram linhas especializadas para esse mercado já que a demanda aumentou significativamente.

Um bom exemplo é a linha "Tô de Cacho", da Salon Line, que faz das resenhas das blogueiras e youtubers partes de sua campanha publicitária.