Mesmo que muitas pessoas estejam enxugando o orçamento e tirando dos afazeres mensais várias práticas até mesmo essenciais, como plano de saúde ou seguro do carro, o sonho de se casar não deixa de “caber no bolso”.

De acordo com a última estimativa do Instituto Brasileiro de Geografia Estatística (IGBE), de 2014 para 2013 os registros civis subiram 5,1%, contabilizando 1,1 milhão de casamentos no País. Já a Central de Informações de Registro Civil relata cerca de 73.700 mil matrimônios só em São Paulo em 2015. E por que as pessoas ainda investem nesta tradição, mesmo em um período de instabilidade econômica?

Mônica Trevizam, assessora de casamentos, explica que os #Noivos sabem que esta é uma oportunidade única na vida, fazendo com que eles busquem adaptar os seus desejos de acordo com o que podem pagar.

Publicidade
Publicidade

“Hoje há infinitas opções no mercado, indo das mais em conta até as extremamente rebuscadas. Então, cabe ao casal avaliar aquilo que merece mais capricho, deixando outros itens para alternativas com preços mais acessíveis”.

Workshops: um grande aliado na busca por valores mais baixos

Há muitas feiras de casamentos durante o ano todo, por todo o Brasil. Tendências, novidades, lançamentos e grandes exposições enchem os olhos dos “pombinhos”, mas alguns profissionais da área avaliam estes grandes eventos apenas como vitrines.

“Em um workshop os noivos tem atendimento personalizado, ficando frente-a-frente com o fornecedor e conseguindo ótimos descontos ou preços mais tangíveis, pois para quem expõe e quem vai a um evento mais intimista a ideia é a de fechar negócio no dia. Além disto, há promoções, sorteios e outros ‘a mais’ que as grandes feiras ou lojas físicas não oferecem”, conta Vanessa Robles, organizadora de eventos para casamentos de menor porte.

Publicidade

Ela ressalta que trabalhou durante mais de 10 anos na produção de grandes feiras, entretanto, percebeu que tanto para os profissionais, quanto para os visitantes, os eventos de menores portes são mais atraentes. “Não há aquela loucura de ter de visitar inúmeros stands em pouco tempo ou o empurra-empurra dos dias de pico. O casal vai a um workshop para realmente contratar os serviços que precisa ou deseja para o ‘grande dia’, mesmo porque sempre há duas opções de cada segmento e isso facilita bastante na hora da escolha. Seja pelo gosto ou pelo valor, há escolhas para agradar a todos, porque esta é a função de quem organiza e quem participa de um evento assim”, explica.

Portanto, se você não quer abrir mão de realizar o sonho de subir ao altar e “dizer sim”, Mônica Trevizam dá uma dica: “Tente contratar os profissionais e serviços o quanto antes, para garantir a data, parcelar os serviços no máximo de vezes possível e já ter quitado tudo até o #Casamento. Também pesquise muito. Não vá apenas atrás de indicações, mas também de priorizar qualidade e preços justos. Muitas vezes o barato sai caro, porém, nem sempre o mais caro é o melhor”, finaliza. #noivas