Nessa quarta-feira (30), o estudo do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, que será publicado no 9º Anuário Brasileiro de Segurança Pública, revelou que a capital mais violenta do país é Fortaleza. O índice é de 77,3 mortes por 100 mil habitantes, em números absolutos, foram 1.989 mortes no ano de 2014. Dentre os crimes mais cometidos pelo estudo foram: homicídios dolosos, lesões corporais seguidas de morte e latrocínios.

O nordeste como todo tem dados preocupantes. Entre os cinco primeiros do ranking estão capitais nordestinas, são elas: Em primeiro vem a capital cearense, Fortaleza com o índice de 77,3, seguida de Maceió - AL (69,5), São Luís – MA (69,1), Natal – RN (65,9) e em 5º lugar, João Pessoa – PB, com índice de 61,6 mortes por 100 mil habitantes.

Publicidade
Publicidade

Infelizmente é um ranking onde ninguém gostaria de estar.

O estudo revelou que em 2014 o Brasil teve um gasto bastante expressivo nessa área. Foram gastos um total de 67,3 bilhões de reais, cerca de 17% a mais do que foi gasto no ano de 2013. Porém esse aumento de gasto não mostra uma correlação direta entre o aumento dos investimentos e a diminuição de dos crimes.

O Brasil gasta em segurança pública o mesmo que países de desenvolvidos, como a  Alemanha, França e dentre outros gastam nessa mesma área, ou seja, esse investimento não está refletindo em eficiência ou em melhorias. Segundo a OMS, todas as capitais do Brasil podem ser considerados locais de zonas endêmicas de #Violência, isso porque todas as capitais ficaram acima do índice de 10 mortes por 100 mil habitantes.  

Uma das causas é a má gestão do dinheiro e outro fato, também citado como causa da não diminuição da violência no Brasil é a falta de trabalho em conjunto das polícias, que muitas vezes não compartilham informações, tornando o trabalho caro e pesado.

Publicidade

A SSPDS - Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social do Estado do Ceará, afirmou que os crimes violentos no estado pararam de crescer no estado nesse ano, crimes como homicídios, lesões corporais seguidas de morte e latrocínios não apresentaram aumentos.

A secretaria deve isso a um projeto que foi lançado em 2014, o programa em Defesa da Vida, que tem como objetivo integrar todo o estado Ceará em um Sistema de Segurança em conjunto. #Justiça #Crime