Na noite de sexta-feira, 27, uma queda brusca de energia foi verificada em Fortaleza, capital do Ceará, e em algumas cidades do interior do Estado. O apagão atingiu vários bairros e foi o suficiente para causar grande confusão, principalmente no trânsito da capital.

O apagão atingiu grande parte dos bairros da cidade de Fortaleza. De acordo com relato dos internautas pelas redes sociais, foram atingidos os bairros de Benfica, Dionísio Torres, Bairro de Fátima, Cocó, Cidade 2000, Edson Queiroz, Cidade dos Funcionários, Guararapes, Salinas e algumas cidades na região metropolitana, como Maracanaú e Caucaia. No interior do Estado, foram afetadas as cidades de Guaramiranga, Acarape, Tianguá, Itapipoca, Paracuru, Meruoca e Amontada.

Publicidade
Publicidade

A AMC, autarquia que controla trânsito na capital, declarou que, durante o apagão, cerca de 430 semáforos ficaram sem funcionar na capital cearense. Isto foi o suficiente para provocar um grande congestionamento em algumas avenidas principais de Fortaleza. Os agentes de trânsito tiveram que ser mobilizados para avaliar os danos e efetuar o controle do tráfego.

De acordo com a COELCE (Companhia Energética do Estado do Ceará), responsável pela distribuição de energia em todo o Estado, a falta de energia foi devido a uma falha de distribuição na CHESF (Companhia Hidrelétrica do São Francisco), empresa estatal responsável pela distribuição de energia para a região Nordeste. 

Nesta mesma noite estava sendo celebrada na capital fortalezense as festividades de abertura do Natal da cidade. O evento estava sendo celebrado na praça do Ferreira com a apresentação do cantor Fábio Júnior e de coral infantil.

Publicidade

O coral se apresenta todos os anos na sacada do antigo hotel Excelsior e já é uma tradição. Apesar da queda de energia, as comemorações não foram afetadas e tudo pode ocorrer tranquilamente.

O restabelecimento da energia ocorreu cerca de vinte minutos depois para alguns bairros. Em outros, a energia só foi restabelecida por volta das três horas da manhã de hoje, 28. #Crise