Francisco Roberto de Oliveira, mas conhecido como 'Roberto dos queijos', matou sua esposa no último sábado (21). O corpo da vítima foi encontrado pela polícia na tarde desta terça-feira (24) em um apartamento na cidade de Fortaleza. Elisângela Gomes Lemos foi encontrada dentro de um freezer.

A polícia encontrou um bilhete deixado por Roberto com pedido de desculpas aos familiares e aos dois filhos do casal, que estavam na casa de parentes em Jaguaretama, cidade onde nasceram.

O Delegado Leonardo Barreto, da DHPP, que esteve no apartamento do casal, disse que a mulher foi encontrada dentro do freezer com sinais de estrangulamento e que não houve luta corporal, pois tudo estava no lugar, sem sinal de arrombamento.

Publicidade
Publicidade

Material de vestígios foi recolhido para perícia.

Vizinhos ainda estão assustados com o ocorrido e sem acreditar, já que o casal não costumava brigar. De acordo com os moradores, a família vivia no apartamento há pouco menos de um ano.

A morte do vice-prefeito

Segundo a polícia local, Roberto invadiu, por volta das 11h da manhã desta terça-feira (24), o Centro Administrativo Expedito Quirino Borges, em Choró, a 151 km de Fortaleza. Ele estava armado com um revolver, quando entrou no gabinete e fez o vice-prefeito de Choró, Francisco Sidney Cavalcante (PT), refém por quase três horas. Em seguida, disparou nove tiros contra o vice-prefeito e depois disparou contra sua própria cabeça.

Os policias tentaram negociar por telefone com Roberto, mas ele só dizia que havia matado sua mulher no apartamento em Fortaleza e iria matar o vice-prefeito também, pois suspeitava de um relacionamento do mesmo com a sua mulher.

Publicidade

Depois disso, foram ouvidos disparos dentro do gabinete, a polícia entrou na sala e encontrou o vice-prefeito já sem vida e Roberto com um tiro na cabeça.

Roberto foi socorrido em estado grave para o hospital da região e depois transferido para o IJF em Fortaleza. Segundo o hospital IJF, ele está na sala de reanimação e ainda realizará exames. O estado de Roberto é considerado grave.   #Crime #Violência #Casos de polícia