O jornal o Povo publicou matéria nesta quinta-feira, dia 28, mostrando a real situação das escolas públicas  mantidas pela Prefeitura de Fortaleza, na atual gestão do prefeito Roberto Claúdio(PDT-CE). A matéria traz os registros de alunos que no seu primeiro dia de aula, foram obrigados a sentar no chão. Isto ocorreu devido à falta de estrutura adequada que muitas instituições de ensino, que são mantidas pela Prefeitura apresentam. Além da falha de infraestrutura, os alunos que frequentam a rede pública tem que conviver com professores insatisfeitos com os baixos salários e as péssimas condições de ensino, o que tende a piorar com a grande demanda de alunos que ingressaram no sistema de ensino público, neste início de 2016.

Publicidade
Publicidade

Alunos assistindo às aulas no chão. Faltam carteiras.

As imagens publicadas pela reportagem do jornal cearense são de alunos da #Escola de Ensino Municipal Waldemar Barroso, localizada no bairro da Serrinha, em Fortaleza. Por falta de carteiras, os alunos são obrigados a se sentarem no chão para poder acompanhar as aulas e alguns precisam usar de cadeiras de plástico disponíveis, para que possam escrever as atividades a serem desenvolvidas.

As imagens foram feitas pelos membros do Sindicato Único dos Trabalhadores em #Educação do Ceará (Sindiute). De acordo com Gardênia Baima, membro da associação, a situação flagrada pela reportagem reflete a atual situação de precariedade em que a rede de ensino municipal se encontra.

Sem saber se esta situação é comum em outras escolas da rede municipal, a secretária financeira do Sindiute denuncia que a Prefeitura, para este ano, aumentou muito o número de vagas para alunos nas escolas.

Publicidade

Entretanto, não foram feitas  as reformas necessárias e a infraestrutura não foi adequadamente preparada  para absorver este aumento no número de alunos. Gardênia esclarece que aonde não há uma estrutura apropriada para facilitar o aprendizado, o rendimento dos alunos tende a ser muito ruim. Ela ainda alerta para o fato de outras escolas do município estarem prejudicadas em suas atividades. Muitas estão com reformas que não foram concluídas, outras estão fechadas por conta do alagamento em virtude das últimas chuvas que caíram sobre Fortaleza e algumas apresentam sérios problemas estruturais, que comprometem o seu funcionamento.

A prefeitura e a Secretaria de Educação Municipal se defendem

De acordo com Jaime Cavalcante, secretário de Educação do Município, o problema da escola citada pela matéria do Jornal  O Povo, é um caso isolado e já foi resolvido com devido remanejamento de um número adequado de carteiras de outras unidades de educação do município. Ainda de acordo com o titular, uma licitação para a compra de 23 mil carteiras já foi feita pela Prefeitura e estão aguardando somente a entrega das mesmas.

Publicidade

O secretário aproveitou para esclarecer que anualmente são adquiridas cerca de 4 mil unidades. Estão previstos para chegar cerca de 5 mil até a primeira semana de fevereiro, o que vai compor o novo equipamento educacional e assim minimizar os problemas de infraestrutura constantes. #Governo