Um desabamento em uma obra da Prefeitura de Fortaleza, ocorrido no início da noite desta segunda feira, dia 22, deixou um saldo de sete feridos e dois mortos. O fato aconteceu nas obras de construção da ponte sobre o rio Lagamar, nas imediações do cruzamento das avenidas Raul Barbosa e Murilo Borges. A construção faz parte do projeto municipal de alargamento da via, que sofre com constantes engarrafamentos.

A Prefeitura de Fortaleza iniciou as obras no cruzameto das avenidas desde junho do 2015. O projeto prevê a construção da ponte sobre o rio Lagamar, de uma rotatória, além de dois viadutos com extensão de 312m cada e de um túnel que vai facilitar o trânsito no local.

Publicidade
Publicidade

O custo total do investimento é de R$ 48 milhões, sendo financiada pela Caixa Econômica Federal e ela faz parte do projeto público de melhoria da mobilidade urbana, que integrará o eixo Via Expressa/Raul Barbosa, melhorando o tráfego para quem se desloca da Parangaba até o Papicu.

No momento do desabamento, cerca de 25 a 30 pessoas estavam trabalhando na estrutura, no exato momento em que estava sendo concretada. Todos os trabalhadores eram contratados da empresa que venceu a licitação para a execução da obra, a Construtora Ferreira Guedes. 

Dos operários que estavam no local, quatro foram atendidos no local, apenas com ferimentos superficiais. Outros três foram encaminhados para atendimento no Instituto José Frota .Segundo as informações, eles estavam conscientes e dois foram liberados.

Publicidade

Apenas segue internado, Enésio de Souza, 45, para observação. Morreram no local Francisco Flávio, servente de pedreiro e Oliveira Andrade, carpinteiro de 38 anos. Os corpos só puderam ser retirados na madrugada desta terça feira, dia 23. Como o risco de desabamento era muito grande, a AMC ( Autarquia Municipal de Trânsito) bloqueou o trânsito no local, no sentido Aeroporto/Aldeota. A operação foi necessária para que os guindastes, em número de três, que foram deslocados do Porto do Pécem, pudessem ter acesso ao local para remover a estrutura danificada.

 O secretário de Infraestrutura, Samuel Dias, visitou o local, mas não quis dar nenhuma declaração sobre o acidente. O prefeito Roberto Claúdio, ainda na noite de ocorrido, visitou os feridos que ainda estavam internados e em declaração à imprensa no local, garantiu que todas as responsabilidades serão apuradas. Será formada uma comissão especial para que sejam investigadas as causas do sinistro. Ela será composta por técnicos do Corpo dos Bombeiros, da Prefeitura e do Ministério Público Estadual. O prefeito afirmou que acionará a justiça para que todas as responsabiidades sejam apuradas.  Indagado sobre a construtora responsável pela obra, o mesmo afirmou que a empresa apresentou toda a documentação necessária para participar do processo licitátório. Segundo Roberto Claúdio, ainda é cedo para se afirmar se a mesma irá continuar à frente do projeto.  #Hospital #Violência