A Policia Militar do Ceará amanheceu, nesta sexta-feira, dia 8, sob a ameaça de um grupo não identificado de bandidos que, através da internet, espalharam a promessa de assassinar policiais militares que trabalham na região metropolitana de Fortaleza. Os assassinatos são anunciados e tramados abertamente através das redes sociais. Os episódios tiveram início um dia após a morte do inspetor da Polícia Civil, Alisson Mendonça, 28 anos, nesta quinta-feira (7), em Fortaleza, numa tentativa de assalto.

A trama estaria sendo planejada contra os policias militares que trabalham para o serviço reservado da PM. Eles trabalham à paisana e andam em viaturas descaracterizadas.

Publicidade
Publicidade

Atualmente, estes policias estariam em busca de prender um traficante que vem atuando na área do Conjunto Timbó. Eles são lotados no Décimo Quarto Batalhão de Polícia (PM), que fica na cidade de Maracanaú, na região metropolitana de Fortaleza. 

Nos diálogos publicados em uma determinada rede social, um dos bandidos deixa bem claro a intenção de atentar contra a vida dos policiais militares. Eles agem de maneira tão organizada que já sabiam até quais as placas dos carros da polícia que são utilizados. O plano era montar uma emboscada para dar cabo dos policiais que, há duas semanas, fazem diligências na região a fim de capturar o bandido.

Em uma das mensagens, o bandido diz: "Vamos sentar prego nesses a...". Uma expressão utilizada pelos bandidos para se referir ao ato de atirar contra os PMs.

Publicidade

Em outro trecho, um dos bandidos revela a sua localização, o Conjunto Acaracuzinho, e se prontifica a ajudar o comparsa do Timbó.

Nos diálogos, um dos bandidos que pede ajuda a outro bando solicita também o reforço de armas. Ele afirma que possui apenas "dois oitão", uma referência aos revólveres de calibre 38.

O conteúdo dos diálogos já foi repassado ao Comando da Polícia Militar do Ceará. Até a data atual, nesta sexta-feira, dia 8, nem o próprio Comando Militar e nem a Secretaria de Segurança Pública do Estado do Ceara (SSPDS) emitiram qualquer tipo de declaração sobre o assunto.   #Crime #Violência #Casos de polícia