Vicente de Paula Lima Pereira, 34 anos, foi morto neste domingo, dia 24, no bairro de Novo Oriente, Maracanaú, região metropolitana de Fortaleza. Paulinho, como era conhecido, era presidente da Mofi (Movimento Organizado Força Independente), uma das torcidas organizadas do time do Ceará.

O #Crime aconteceu por volta da 10 horas. Segundo informações da Polícia Militar, a vítima foi assassinada com cerca de 16 perfurações a bala, que atingiram a cabeça, o tórax e os braços.

Algumas testemunhas informaram à Polícia que Vicente foi morto por um desconhecido que chegou ao local a bordo de um veículo Vectra, de cor azul. Após os disparos, o autor do crime evadiu-se sem ser identificado.

Publicidade
Publicidade

O caso deverá ser investigado pela Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP). De acordo com informações da Polícia, uma moto que estava em poder da vítima foi apreendida para que possa ser examinada e possa trazer algum indício quanto às causas do crime. Os investigadores ainda não sabem precisar quais seriam os possíveis motivos para o assassinato.

Vicente de Paula era um dos presidentes da Mofi há 13 anos. Ele era trabalhador autônomo e deixa dois filhos. Na ocasião, o mesmo havia ido ao local para fazer a entrega de algumas camisetas para uma festa que seria promovida pela sua torcida. Após a entrega, o líder da torcida foi surpreendido com o ataque do desconhecido.

A notícia da morte de Paulinho pegou de surpresa tanto os integrantes de sua torcida, quanto da Cearamor, outro grupo organizado em torno do time cearense. 

A Mofi utilizou as redes sociais para divulgar mensagens de pesar pela morte tão repentina de seu querido representante.

Publicidade

"Não estamos acreditando que você se foi! A Mofi toda de luto. Não só a Mofi, mas as pessoas que o conheciam sabem que ele era um cara bom, pai de família, humilde. Todos nós estamos sofrendo sua perda. Só lembranças boas de você para todos nós, eterno presidente. Você nunca vai ser esquecido!".

Na opinião de João Paulo, um dos diretores da Mofi, o crime não deve ter sido motivado por vingança de possíveis rixas entre as torcidas. Ele negou que haja qualquer atrito com outros integrantes das demais, pois todos mantêm uma relação cordial. Na sua opinião, o motivo que levou ao assassinato de Vicente de Paula deve ter sido por um motivo muito particular. Além disto, o líder da torcida era uma pessoa muito bem querida de todos.

  #Violência #Casos de polícia