Um fato ocorrido no último dia 23 de maio, dentro da Universidade Federal do Ceará (UFC), uma das mais respeitadas instituições de ensino e pesquisa do Estado, tem causado muita polêmica, principalmente, nas redes sociais. Um artista, durante um seminário sobre diversidade sexual promovida por aquela instituição além de ficar sem roupa, derramou o próprio sangue sobre a imagem de um Cristo crucificado. A divulgação de tais cenas gerou bastante revolta entre os internautas.  A repercussão foi tanta que fez a própria Ordem dos Advogados do Brasil do Ceará (OAB) se manifestar sobre caso. A instituição considera o ato criminoso e por isto deverá acionar o Ministério Público (MP) para que a peça seja investigada.

Publicidade
Publicidade

A peça que deu origem a toda polêmica

A apresentação aconteceu durante o primeiro Seminário sobre Conversas Despudoradas sobre Gênero e Transexualidade promovido pelo curso de pós-graduação em Sociologia da UFC. O ator Ari Areia apresentou o monólogo 'Histórias compartilhadas', no qual fica sem roupa em pleno palco, cobrindo os órgãos genitais apenas com uma espécie de esparadrapo. Em determinado momento, ele se espeta com uma agulha e deixa pingar seu próprio sangue sob uma imagem de um crucifixo posicionada em cima de uma cadeira posicionada no meio do palco. Ao fundo, num telão, são exibidas imagens de um filme pornô.

As imagens caíram na rede e principalmente nas redes sociais, o que causou a maior polêmica e o próprio autor foi alvo de uma série de xingamento e ameaças.

Publicidade

Depois de muito relutar, o autor resolveu se manifestar sobre o assunto e se disse chocado diante de tanta agressividade. Ele foi alvo inclusive de várias ameaças que o fizeram prestar um boletim de ocorrência sobre tais episódios.

O que disse a OAB sobre o fato

Ao tomar conhecimento do episódio, a instituição emitiu nota dizendo que o artista ultrapassou o limite permitido para as manifestações de seu pensamento e de seu direito à livre expressão. A ordem afirmou ainda que considera válida a causa dos transsexuais discutirem seus direitos na sociedade atual, inclusive, o posicionamento da própria universidade em promover o debate entre seus estudantes. Entretanto, não deixa de repudiar o exagero e excesso na #Manifestação de seu posicionamento. Pelo ato, o ator incorreu em #Crime previsto no artigo 228 do Código Penal, que consiste em ultrajar, de maneira pública, algum tipo de símbolo utilizado em uma manifestação religiosa. A OAB declarou que já acionou o MP do Ceará para que o ato teatral seja investigado.

Publicidade

A UFC decidiu se manifestar sobre o episódio e demonstrou uma posição de defesa junto ao artista. A instituição declarou em nota que deverá continuar a defender uma postura de tolerância e convivência entre os diversos tipos de manifestações científicas, culturais, artística e políticas.  Ela justificou a peça como sendo parte integrante de um seminário fechado, sendo restrito apenas à comunidade universitária, sem intenção de provocar qualquer tipo de polêmica na sociedade. #Arte