Na tarde desta última sexta-feira, dia 08, um grupo formado por três bandidos, todos armados, invadiu o Hospital Distrital Maria José Barroso de Oliveira, em Fortaleza, mais conhecido como o ' Frotinha da Parangaba', com o objetivo de resgatar um preso que ali se encontrava internado sob escolta de policiais militares. O episódio ocorreu exatamente no horário de visitas aos pacientes daquela unidade de saúde e, portanto, foi motivo de muito pânico para familiares e acompanhantes que aguardavam adentrar às enfermarias do local.

De acordo com os funcionários do local, no momento em que o preso foi abordado pelos comparsas na enfermaria, ele estava sob atendimento médico.

Publicidade
Publicidade

Segundo informações de quem estava no local, eles entraram pela portaria do hospital depois de renderem o responsável pela vigilância do setor e seguiram até ao local para retirar o bandido. Neste trajeto, eles fizeram a abordagem de dois policiais militares, que eram os responsáveis pela escolta do paciente. Depois de tomarem as armas dos mesmos, o grupo retirou rapidamente o detento às pressas. Segundo as informações, todos fugiram a bordo de um veículo Toyota Corolla sem identificação. 

Segundo as informações divulgadas pela Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), o bandido libertado foi identificado como Antonio Azevedo Fernandes, com idade de 30 anos. Ele estava preso pelo #Crime de porte ilegal de armas e estava internado naquela unidade há seis dias. O motivo do internamento teria sido por causa de uma lesão causada por arma de fogo.

Publicidade

Após a fuga, as equipes das Polícia Militar foram acionadas para o local e vários policias fizeram buscas nas proximidades do hospital.  Entretanto, nenhum dos envolvidos ou algum suspeito foi capturado. O caso segue agora sob investigação a cargo da quinta delegacia de Polícia Civil da capital.

De acordo com o trabalhadores daquela unidade de saúde, a insegurança e a #Violência têm sido constantes. Muitos funcionários estão se sentindo inseguros de  trabalhar no local e por isto pedem providências o mais rápido possível.

#Casos de polícia