Na última segunda-feira (2), durante uma coletiva de imprensa, a delegada Patrícia Bezerra, responsável por comandar a Divisão de Combate ao Tráfico de Drogas (DCTD), em Fortaleza(CE), informou que agentes, sob seu comando, cumpriram diversos mandatos de busca e apreensão. Além de prender sete pessoas ligadas ao tráfico de entorpecentes, a operação denominada Ponto de Impacto, também apreendeu mais de 70 quilos de drogas, entre maconha, cocaína, crack e metilona. Essa última chamou a atenção do policiais, pois é uma nova droga que anda circulando livremente pelo mercado, e de acordo com a polícia, essa droga possui um princípio ativo capaz de originar um efeito alucinógeno muito maior do que do ecstasy.

Publicidade
Publicidade

Segundo informações da delegada Bezerra, a droga tem como um dos principais efeitos colaterais, a indução ao canibalismo. Na operação realizada no sábado passado (2), no município de Caucaia, região metropolitana de Fortaleza, a Polícia prendeu vários suspeitos, entre os quais destaca-se o traficante marroquino Omar Martins Azzam, responsável por distribuir a metilona.

Investigações dão conta de que a droga teria chegado ao estado do Ceará via Correios, com origem na China. Para a polícia, essa droga possui uma baixa densidade volumétrica e pode ser transportada de forma muito prática, assim como o ecstasy e o LCD. Sendo assim, os traficantes não encontram problemas ao enviar a droga para os destinatários finais, uma vez que a droga passa livremente despercebida por equipamentos de raio X.

Publicidade

As autoridades ainda desconhecem o princípio ativo da droga, pois ela não é fabricada no Brasil. Denominada de “cloud nine”, o entorpecente já foi considerado um problema sério nos Estado Unidos em 2012, após um mendigo ser atacado por um usuário. Como consequência, o morador de rua teve o nariz arrancado por uma mordida. No Brasil as autoridades desconfiam que os usuários estejam consumindo a nova droga achando que é MDMA (abreviação para metilenodioxi-metanfetamina), por ter semelhanças. “Só os peritos ou usuários poderão perceber a enorme diferença”, declara a delegada.  #Curiosidades #Casos de polícia