Neste último fim de semana, a deputada federal pelo #PT, Luizianne Lins esteve em Fortaleza para tratar dos preparativos de sua campanha eleitoral para a prefeitura de Fortaleza. Concorrendo novamente ao cargo para o  qual já foi eleita duas vezes, ela não hesitou em rebater as críticas de seus opositores. Ela afirmou  que quem critica o PT, não conhece a fundo a sigla. Com relação ao governador Camilo Santana (PT-CE), a petista declarou que contar com o apoio da máquina estadual e que, neste momento, não vai agregar nenhum tipo de vantagem.

Luizianne foi bastante direta ao rebater as declarações de Camilo, que considerou um verdadeiro erro o fato da legenda lançar candidatura própria para prefeito no ano de 2016.

Publicidade
Publicidade

Já definida como pré-candidata ao cargo, através de várias prévias realizadas na capital, a deputada se vangloria do fato e dispara que se fosse esperar pelo governador, ela não concorreria ao pleito. Ela referiu-se claramente ao fato do mesmo ter manifestado seu total  apoio à reeleição do prefeito Roberto Cláudio (PDT-CE), que segundo se sabe, faz parte do grupo comandado pelos irmãos Cid e Ciro Gomes.

Questionada quanto ao fato de sua candidatura ter causado algum tipo de mal-estar, ele nega tal repercussão. Na sua opinião, esse tipo de constrangimento deve ter sido sentido entre aqueles que são próximos a Camilo Santana, principalmente desde o ano passado, quando passou a se cogitar a possibilidade do partido partir para um nome próprio. Além disto, a decisão de lançar seu nome saiu de dentro da executiva cearense do PT, sem nenhum tipo de rejeição.

Publicidade

Ela até aproveitou para alfinetar Camilo e disse que o mesmo nunca apareceu em nenhuma prévia do partido para manifestar a sua desaprovação, já que se posicionou contra a escolha da sigla à qual é filiado.

Com relação ao atual prefeito, Roberto Cláudio, ela afirmou que o gestor iniciará sua campanha em uma vantagem bem maior, visto que possui toda a máquina municipal a seu favor. Entretanto, ela destaca que para esta eleição, os candidatos deverão ter um tempo menor de campanha, segundo as novas regras definidas pelo Congresso no ano passado. Serão apenas 45 dias. Além disso, as contribuições  recebidas de empresas estão suspensas. Na opinião da parlamentar, todos os candidatos só poderão contar com recursos próprios ou de ajuda de pessoas físicas, de agora em diante.

 Segundo a deputada, o PT deverá ter pela frente uma campanha difícil neste ano, frente aos acontecimentos atuais. A sua esperança é a vinda de Lula à Fortaleza no próximo dia 12 de julho. Ela espera que ele possa promover uma melhor articulação política, visto que, a estratégia é começar as 'negociações' nos estados que já possuem um nome definido. A intenção do partido, segundo Luizianne, é dar uma maior atenção aos estados do Nordeste, onde a aceitação petista é bem maior.     #Eleições 2016