Uma levantamento feito pela Pesquisa Nacional de Saúde Escolar e publicada nesta segunda-feira, dia 12, pelo jornal O Povo, mostra a capital cearense em segundo lugar, na região Nordeste, em estudantes que mais fazem sexo no país. Ela perde apenas para a capital Salvador, que se destacou em primeiro lugar para o mesmo quesito. O estudo foi feito entre alunos do ensino médio cearense e demonstrou que muitos jovens estão se iniciando na vida sexual cada vez mais cedo e, infelizmente, fazem parte de um grupo crescente que se destaca por não tomar os devidos cuidados com relação a uma gravidez indesejada e à transmissão de doenças sexualmente transmissíveis.

Publicidade
Publicidade

A pesquisa teve  como alvo os estudantes do ensino médio de escolas públicas de Fortaleza, que cursavam o nono ano e na faixa etária entre 13  e 15 anos. Destes, cerca de 27,5%  afirmaram que já tiveram a primeira relação sexual na vida.

A alta rotatividade dos parceiros sexuais numa idade ainda jovem

O que chamou a atenção dos pesquisadores foi a alta rotatividade de parceiros ainda no início precoce da vida sexual. No grupo analisado acima, quase a metade (40,3%) afirmou que já manteve relações sexuais com mais de um parceiro. Aqueles que fizeram sexo com dois ou três colegas chegou a 31,8%.  Para os grupos que já se relacionaram sexualmente com quatro ou cinco e com mais de seis parceiros chegaram a 12,3 % e 15,6%, respectivamente.

Muitos parceiros, pouco desejo e uma baixa proteção

O levantamento apurou ainda que, apesar de um certa rotatividade, a prevenção ficou a desejar.

Publicidade

Dos entrevistados, quase a metade declarou ainda não usar camisinha ( 45,9%) e persistiu naqueles que, ao serem entrevistados, não se protegeram na sua última relação (43,3%).  Se tomarmos o estado do Ceará como referência, o cenário não se alterará: 26,4% dos jovens até 15 anos já tiveram a sua primeira experiência sexual sendo que, destes, 40% não fizeram uso de nenhum tipo de proteção.

Outro dado que chamou a atenção foi o fato de que muito estudantes já mantiveram relação sexual sob o efeito de algum tipo de substância química. Isso constata o fato de que muitos não praticavam sexo por que sentiam desejo pelo parceiro, mas foram induzidos pela ocasião ou então pela influência de amigos que também faziam porque era um costume entre eles.   #Sexo na adolescência #Escola #Comportamento