A morte da travesti Dandara dos Santos, de 42 anos, continua repercutindo em todo o Brasil. O crime aconteceu no dia 15 de fevereiro, no bairro Bom Jardim, em Fortaleza, na capital do estado do Ceará.

O vídeo que foi parar na internet revela a crueldade dos assassinos, que desferem socos, chutes e pauladas em #Dandara. As imagens são chocantes. Recomendamos que seja sensível não assista ao vídeo no final desta reportagem.

Vídeo

O vídeo de um minuto e 20 segundos começa com os agressores pedindo para que a #Travesti suba em um carrinho de mão. “Suba, não vai subir não?”, diz um dos assassinos. A travesti, sentada, mal consegue se mover.

“Vai, viado despeitado, sobe nessa b...”, diz um dos assassinos.

Publicidade
Publicidade

Mais para frente, o rapaz que está filmando diz: “a imundícia está de calcinha e tudo”. Diante da dor sofrida e dos sussurros de Dandara, os homens dão risada e debocham da situação.

Depois disso, ela leva pauladas. “É na cabeça”, orienta um dos agressores para que o desfere três pauladas. Na sequência, os homens levantam Dandara e a colocam dentro do carrinho de mão.

Em disparada, eles saem levando a travesti. A pessoa que está filmando diz, com sorriso na voz, “eles vão matar o viado”. Ao todo, seis homens aparecem nas imagens, além do que está filmando pelo celular. A travesti levou socos, chutes, chineladas e pauladas.

O vídeo termina com Dandara sendo, literalmente, levada para a morte. O crime aconteceu no último dia 15 de fevereiro, mas viralizou nas redes sociais nos últimos dias.

Publicidade

Criminosos identificados

De acordo com o delegado Bruno Ronchi, do 32º Distrito Policial de Bom Jardim, os criminosos já foram identificados. Os adolescentes têm passagem pela Delegacia da Criança e do Adolescente (DCA) e são bandidos conhecidos no bairro onde moram.

Toda a população aguarda a prisão dos assassinos. O único problema é que por serem menores de 18 anos deverão permanecer pouco tempo atrás da grade mesmo depois do crime covarde que cometeram.

Vídeo (atenção: as imagens são fortes e não há cortes)

#Violência