O portal de notícias do Ceará Cnews divulgou com exclusividade o depoimento de Walderir Batista dos Santos, acusado de sequestrar e matar a garota #Débora Lohany, de quatro anos de idade. Durante o depoimento do homem aos oficiais da Divisão de Homicídios (DHPP), ele confirmou que teria assassinado a menina com uma pedrada desferida na cabeça e afirmou ainda que não abusou sexualmente da menina.

Ele esclareceu que matou Débora no mesmo dia em que #sequestrou. A menina que brincava em frente sua casa foi raptada e levada para o matagal pelo o acusado. "Depois de cometer o crime, enrolou o corpo da menina com papelão para dificultar as buscas da polícia", relatou o portal Cnews.

Publicidade
Publicidade

O suspeito foi aprendido por policiais em Parnaíba, Estado do Piauí, e sob escolta foi transferido para Fortaleza. Walderir revelou que dias após o assassinato fugiu e se escondeu na casa dos pais, que residem naquela cidade.

#O criminoso reside em Fortaleza na casa de seu irmão no bairro Serviluz, era comum encontrar o suspeito que trabalha de flanelinha no cruzamento da Av. Murilo Borges com Raul Barbosa, local onde ele sequestrou Débora Lohany. Como as investigações apontavam, o flanelinha disse que matou a pequena inocente por vingança. Segundo Walderir, os familiares da menina também trabalhavam vendendo flanelas na avenida Raul Barbosa e sempre disputavam por clientes, gerando um desentendimento entre eles.

O portal também teve acesso há um inquérito contra o homem, que foi aberto em 7 de abril, acusando-o por homicídio doloso, (quando o agressor tem intenção de matar), o inquérito policial foi instaurado dez dia após o rapto da criança.

Publicidade

O flanelinha chegou na delegacia do Bairro de Fátima, na tarde de quinta-feira (13), em um carro de passeio e continua preso no local. Em nota, A secretária de Segurança anunciou que vai coletar mostra de DNA do acusado e comparar ao material colhido no corpo da criança.

Segundo a ficha criminal, o homem já é acusado de dois homicídios, diversos assaltos, há duas lesões corporais e também por ocultação de cadáver. No dia do sumiço de Débora a polícia passou a ouvir muitas testemunhas. De acordo com algumas pessoas que presenciaram o crime, a menina foi levada para um matagal por um homem deficiente de um braço. Desde então a população se juntou as forças de segurança na busca pela a inocente, mas não conseguiram encontrar.

O corpo de Lohany foi encontrado no lixo na última sexta-feira (7), no cruzamento da Via Expressa e Pontes Vieira, em Fortaleza. A mãe Daniele de Oliveira, reconheceu como sendo o corpo da filha. Um laudo da perícia aponta que a morte da pequena Débora foi por traumatismo craniano.