As características para escolher uma boa obra para as crianças são: imaginação, movimentação, desfecho feliz, boa técnica de desenvolvimento, qualidade do livro, obra adequada para cada fase. 

As crianças sentem falta da fantasia, gostam de sentir o como se fossem o personagem da história. Criança saudável é incapaz de ficar quieta por muito tempo, precisa de ação e de movimento e terá mais interesse em livros que apareçam fatos novos, imprevisíveis, que surpreendam o tempo todo. 

O livro precisa ter desfecho feliz porque a criança se coloca no lugar do personagem e não se sentiria bem se a sua personagem terminasse mal na história. Para fazer sucesso com as crianças o livro não deve ter descrições longas, palavras de difícil compreensão. Deve estar de acordo com a faixa etária da criança.

O livro deve ter mistério, dramatização e principalmente divertir. Se tiver que escolher entre um livro que dá lições de moral e um que diverte, fique com a segunda opção que agradará muito mais a uma criança. Não estou dizendo que os livros não devam ter lição de moral e sim que deixe que a própria criança descubra o que a história quer ensinar. 

Existe uma obra adequada para cada fase e é muito importante que isto seja levado em consideração. Criança até os dois anos se interessa por histórias que tenham cores, frases curtas, palavras bem simples. As de três e quatro anos vivem a história como se fossem reais, as frases devem continuar curtas. Gostam muito de histórias de bichinhos que falam, que têm características e ações parecidas com as dos humanos. Histórias onde os personagens sejam outras crianças.

Crianças de quatro e cinco anos ainda se assustam muito, pois ainda não sabem separar a fantasia da realidade, então evite histórias que as façam chorar. Cuidado com o tom de voz quando for fazer as vozes de personagens malvados. Existem livros com imagens, com sequência da história. É muito bom nesta fase deixar que as próprias crianças contem a história através das imagens. Aos seis e sete anos a criança já está sendo alfabetizada. As histórias ainda são curtas e com vocabulário de fácil entendimento. Esta fase é boa para trabalhar os contos de fadas, fábulas, histórias que fala da escola, do bairro, família.

Aos oito e nove anos as revistinhas em quadrinhos já são uma boa opção. Já a partir dos 10 anos elas se interessam por textos mais longos, com mais personagens, diálogos maiores. Histórias mais próximas do real. É uma boa hora para começar a leitura de aventuras, ficção, lendas de outros países e do Brasil, histórias de invenções.