Engana-se quem acha que certas particularidades ocorrem somente na melhor idade. Não! Coisas que tendemos julgar do futuro podem acontecer bem debaixo de nossa narina, e muitas das vezes não percebemos isso.

Dentadura..., sabem o que é isso? Se trata de um apetrecho e/ou recurso técnico que se coloca na cavidade bucal com finalidade de substituir o papel que faria um ou mais dentes naturais, mas em razão desse(s) não existir(em) mais aplica-se essa tal de tecnologia "bucônia", atualmente muito bem falada, principalmente por ter sido melhorada em artes bucais, ou seja, ao invés do acoplamento, passou a ser implantada, aliás, parabéns ao pessoal da saúde bucal por essa melhoria.

Publicidade
Publicidade

Mas, voltando ao assunto, outro dia, para surpresa minha percebi que algo não natural tendia balanguejar dentro da boquinha de minha vida. Por motivos de segurança (em outras palavras: para não levar um "táblefffeee" na face) não perguntei do que se tratava. Optei por ficar no silêncio e aguardar o momento certo para "descobrir", a meu jeito, se a suspeita era ou não verdadeira, e não foi difícil descobrir, ainda mais por causa da visão que um certo copo cheio de água com bicabornato (soube disso somente de madrugada quando tive sede) posto sobre a cabeceira da cama. Precisa falar para quê ou é melhor suspender a explicação dessa necessidade de saneamento de minha sêde? Crédo! Úhúú. Crédo!

De manhã veio a segunda confirmação: bastou alguém contar uma piada na hora do café e entremeio às tantas gargalhadas que surgiram do nada algo estranho e aparentemente sem dono surgiu no ar, lançada por uma boca aos gritos de alegria.

Publicidade

Alegria de dentadura, minha gente, não é das boas visões para se ver. É hilário, talvez, para algumas pessoas, mas constrangedor para outras.

Mas afinal, qual é o problema em utilizar dentadura?

Quanto a mim, não vejo problema algum (isso não significa que utilizo tá "galera"), pois é um recurso necessário à proteção da saúde de quem utiliza que, segundo os entendidos no assunto, se inicia na boca. Seja como for e quais motivos puderem vir a ser redobro meu respeito e silêncio em relação a quem utiliza esse recurso técnico, claro, desde que eu não seja mordido por um desses apetrechos mastigolômetros. Sem comentário.