Quem nunca “correu” atrás de um ônibus, principalmente na parte da manhã quando se está indo para o trabalho? A maioria já fez isso um dia mesmo que não fosse para o trabalho, e para surpresa de muitos, esse tipo de atividade (correr), segundo os entendidos no assunto e semi-deuses é bom para queimar parte da caloria que ingerimos a qualquer hora do dia.

Alinhando os proveitos percebe-se que correr atrás de ônibus, além de ser uma forma de se queimar calorias, também se trata de diversão, por exemplo quando balança tudo no corpo, na sacola, na bolsa, enfim, na tentativa de não perder o horário de marcar o cartão, também se pode divertir com a barulhada que fulano faz ao correr atrás de seu “busú”.

Frases tais como péga-péga; ô moto pêra ih!; ôôôpaaa, etc. se pode dizer que são conhecidas e divertidas não só de pronunciar, mas também de se ouvir. 

Em certa região alguém teve a brilhante idéia de fazer algumas adaptações a fim possibilitar mais e maior conforto para quem utiliza o meio de transporte mais conhecido no mundo inteiro: o ônibus. Agora ficou chique, pois tem ar condicionado, bancos mais confortáveis, televisão, silêncio, e algo mais. Ficou chique viajar de ônibus urbano nas vias públicas. E a cor? Chique demais. O povo pelo menos uma vez na vida se sente importante em seu veículo público. “Tábãodemais”, como se diz em dialeto mineiresco lá das bandas sudeste do Brasil. Ô povo bão sô. Aceita tudo igual os coitados dos carneirinhos de presépio.

Bom nisso tudo é que para correr atrás de um ônibus não tem idade. Correm crianças; correm adolescentes; correm jovens; correm adultos; correm os da idade mais linda, só não correm os de colarinho branco, pois só ficam assistindo o show assentados em seus carros de passeio. Privilégio? Talvez, sim, mas nesse caso a sombra é para todo mundo. Há quem diga que correr atrás de ônibus se assemelha a fazer fisioterapia nos membros inferiores e superiores do corpo, até à mente quando se vê tanta gente bonita desfilando suas bandas, de um lado, e do outros suas pencas.

Mas tudo melhorou. No passado quem queria se destacar desfilava sobre o couro de animais; os mais chiques utilizavam charretes; o transporte público era carro-de-boi. É. Melhorou sim. Não se tem do que reclamar. Bonita apresentação era os trens sobrando gente para todo lado; tinha Maria-Fumaça; bondinho; jegue; pau-de-arara; balões, dentre outros em cada povo. Ninguém tem direito de reclamar da evolução dos tempos. Muito embora muito disso ainda exista, não se pode reclamar de nada, pois a evolução, assim como os gostos só tendem a melhorar cada vez mais. Será?