Passado o susto das chuvas do início do ano, a praia de Maresias, na costa sul de São Sebastião, no litoral norte de São Paulo, termina a temporada de férias de janeiro com o que sabe fazer de melhor: lançar modismos e comportamentos típicos de verão.

Assim como a praia de Ipanema, no Rio, a areia de Maresias se torna uma passarela de exibicionismo com mulheres e homens lindos com seus corpos sarados. Eles, de sunga ou bermuda, elas, biquínis, maiôs extravagantes, chapéus, óculos escuros e sandálias.

Mas, em meio aos acessórios de praia e ao burburinho efervescente na areia, a tradicional - e ainda polêmica - tatuagem é um dos marcos da praia.

Publicidade
Publicidade

Em Maresias, tatuagem define estilos e tribos. "Não importa o lugar do corpo, o que vale é o significado", diz a universitária Maria Gabriela Galante, 27, de Araras, no interior paulista.

Diferentes formas chamam atenção no vai e vem à beira mar. Homens geralmente exibem tatuagens nas costas, ombro, antebraço e abdômen. Já as mulheres, segundo tatuadores da região, tatuam com frequência nuca, orelha, costas, pulso, pernas e pés.

"Para se tatuar a pessoa precisa estar bem consigo mesma", acredita o dentista paulistano Fabiano Araújo, 38, que é dono de aproximadamente 30 tatuagens pelo corpo. "Sempre gostei de tatuagem. É bom fazer mais maduro, estabilizado profissionalmente para não abrir espaço para o preconceito", ele alerta. Casado, o dentista disse ainda que foi influenciado pela esposa a fazer o primeiro desenho, e depois não parou mais.

Publicidade

Quando o assunto é amor de verão, a tatuagem acaba se tornando um importante item no jogo de sedução na areia ou fora dela, afirmam os tatuados. "É um motivo para iniciar uma conversa", conta o vendedor Jonas Paulo Rusig, 34, que fez seu primeiro desenho há 15 anos. "Gosto de desenhos orientais, estilo mangá, e também letras japonesas".

Cuidados básicos

Para fazer uma tatuagem definitiva, o interessado deve estar atento a alguns cuidados básicos como, por exemplo, não optar pelo serviço mais barato e sim pela qualidade do trabalho.

Além disso, atenção às condições de higiene do estúdio, que deve ser limpo e com bicos e agulhas descartáveis para evitar transmissão de doenças como a hepatite C. "A pessoa deve estar convicta e não fazer por modismo. Afinal, é para o resto da vida", diz o tatuador Claudio Galvão, que trabalha há mais de 10 anos no ramo. #Moda #Turismo