"Água no umbigo, sinal de perigo!". O alerta do Grupamento de Bombeiros Salvamar Paulista se intensifica nas praias do litoral norte e baixada santista durante os dias de Carnaval. Para evitar problemas no mar durante a folia, o turista deve estar atento às placas de sinalização, existentes em todas as praias, "e acreditar nelas", explica o comandante do GB, tenente João Rapaci, responsável pelo patrulhamento no litoral.

De acordo com ele, as placas são colocadas somente nos trechos da praia que podem trazer riscos aos menos desavisados como correntes e bolsões de areia, no fundo do mar. Sempre dispostos a prestar auxílio aos banhistas em caso de descuido ou imprudência, a rotina de trabalho destes homens e mulheres é puxada.

Publicidade
Publicidade

Começa bem cedinho e são aproximadamente 12 horas por dia de trabalho sob o sol e sensação térmica escaldante.

Neste Carnaval serão mais de 200 profissionais entre guarda-vidas estaduais, temporários e bombeiros espalhados por praias das 4 cidades da região - Ilhabela, Caraguatatuba, Ubatuba e São Sebastião. Realizando trabalho de "conscientização e prevenção", segundo o tenente Rapaci os oficiais terão reforço de botes infláveis, jet-skis, além de uma embarcação especial para executar resgates em situações mais drásticas. Dois helicópteros também prestam auxílio nas operações.

No geral, durante o mês de janeiro as praias do litoral norte estiveram tranquilas com mais salvamentos do que afogamentos em "casos pontuais", segundo os bombeiros. Segundo o setor em Guarujá, na Baixada Santista, o balanço total do verão só será finalizado após o Carnaval.

Publicidade

Acredite nas Placas - Na empolgação da folia sabemos que é complicado agir com a razão. Ver além. "O turista não percebe só que a placa indica que ali pode existir um risco para ele". Caso sinta o mar "puxando", tente manter a calma nadando paralelamente à costa até conseguir ajuda. No mar, também não confie em boias: os bombeiros dizem que estes tipos de flutuadores parecem ajudar, mas podem dificultar o socorro. O mais importante: excesso de álcool no mar, nem pensar. #Turismo