Para muitos brasileiros, o sonho de conhecer um oásis parece distante, quase impossível. Isso porque, a palavra oásis é quase um sinônimo de África. Mas acredite, é possível realizar esse sonho sem atravessar o oceano e, o mais importante, em época de crise na economia, logo, sem gastar todo dinheiro do seu cofrinho. Não é miragem: no sudoeste do Peru, no município de Ica, está localizado o Oásis de Huacachina, uma opção para incluir no roteiro de quem está passando por Nasca, já que a passagem é barata e a #Viagem leva, em média, duas horas.

Areia, árvores, construções, um lago central e mais areia, não chega a ser o Saara, nem o Gobi, mas é nosso oásis sul-americano.

Publicidade
Publicidade

Com cerca de 100 habitantes, o local é praticamente um vilarejo. É possível encontrar restaurantes, lojas, pousadas e hostels, mas tudo fecha antes das 23h. O ideal para quem quer curtir festas e badalação durante a noite é ir de táxi até o centro da cidade de Ica, são poucos minutos e o preço é bastante acessível. Mas se a intenção é aproveitar o máximo durante o dia, Huacachina é o lugar perfeito.

Para quem gosta de velocidade e adrenalina, as opções de entretenimento do oásis são as melhores que se pode imaginar: passeios de buggy e sandboard. As dunas, que chegam a 100 metros de altura, são o ingrediente principal para sentir aquele "friozinho na barriga" gostoso. Os passeios de buggy - que custam, em média, 40 Soles Peruanos (moeda local) - são liderados por pilotos treinados e todos os passageiros utilizam cinto de segurança para evitar qualquer tipo de acidente.

Publicidade

E se quiser curtir essa descida de uma maneira mais radical, é só alugar uma prancha e aguardar o instrutor para levá-lo ao topo. Descidas de 30 e 40 metros fazem a alegria dos viajantes e transformaram o local em uma referência para quem pratica surf na areia. #Natureza

A fama do Oásis de Huacachina não é nada recente. Na década de 40, o local era bastante popular entre os moradores de Lima, que iam até o deserto a procura de tratamentos com as águas do lago, que muitos acreditavam ter poder de cura. Depois de uma baixa no #Turismo, em 1990, alguns empresários voltaram a investir e oferecer os passeios, que hoje são os dois programas mais procurados do local, isso porque, a principal atração é, sem dúvidas, o pôr do sol inesquecível daquela região.