Armar uma #Viagem para qualquer país da Ásia é uma coisa tão misteriosa que deixa o turista com uma grande interrogação na cabeça. O pensamento entra em ebulição já na busca por informações sobre o transporte, no que vestir, e passa pela exótica comida asiática.

Tudo isso pode travar o sistema de buscas, sem citar as dezenas de línguas e dialetos falados. Os países são de todos os jeitos: pequenos, médios, grandes e enormes. E escolher onde aterrizar é uma missão para alguns dias de pesquisa.

No meio de tantas opções está o Camboja. O país pode ser uma grande descoberta pessoal e turística. O destino direto passa pela cidade de Seam Reap e a visita ao impressionante conjunto histórico de Angkor, onde estão os magníficos templos de Angkor Wat e Bayon.

Publicidade
Publicidade

Berço do hinduísmo e budismo, essa terra sagrada era considerada a Capital no Mundo há 5 mil anos, denominação fácil de acreditar tendo visto a fervorosa visita de religiosos e turistas durante o ano todo. A energia e a temperatura escaldante que brotam dos templos de pedra aumentam esse deslumbre pelas formidáveis formas de arquitetura, muitas vezes desafiando a mais moderna forma de construção.

Esse desprendimento sensorial, o idioma indecifrável, toda mística envolvida e o calor vulcânico aflora essa viagem espiritual cambojana. Algumas vezes, você pode pensar que está em outra época, dentro de templos de imponência real e imaginar como seria viver há 5 mil anos, onde os reis tinham mais de 2000 elefantes, promoviam lutas de morte entre tigres e leões, e adoravam Deuses, acreditando na elevação da alma.

Publicidade

Deixando o antagonismo e as crenças de lado, aventurar-se num tuke-tuke e conhecer as pessoas de lá faz a viagem torna-se diferente. As pessoas são felizes, e têm um jeito singular de viver e de encarar a luta pela sobrevivência. As crianças jogam bola na praça e trabalham na feira, nadam no rio e andam de elefante, e de bicicleta também.

A motocicleta é o meio de transporte principal, como se fosse um membro da família, é muito comum ver mãe, pai, e três ou quatro filhos na mesma, precária e potente, máquina de locomoção. Esse país, já devastado por guerras religiosas e sistemáticas, tem muitas cicatrizes dessa época. A riqueza e pobreza andam de mãos dadas, a desigualdade social mostra sua cara a toda hora.

Mas como é notório, não se vence uma guerra lutando sozinho, e eles se uniram e lutaram, e lutarão todos os dias. E talvez um estranhamento assim possa levar o turista ao passado, e quando voltar ao futuro, verá que na vida não tem 'filé mignon' para todo o mundo.

Em alguns momentos, você pode achar que está no Brasil, que deve ter sido um "primo distante" do Camboja, e resolveu fazer "intercâmbio" na América. #Turismo #Curiosidades