Há muitas lendas a respeito da Sibéria, na Rússia, pois essa é uma região que ocupa cerca de 10% da superfície seca do planeta, a partir das estepes da Mongólia, no sul, até as proximidades revestidas de gelo, ao norte, no Ártico. É uma região da Terra que parece ter sido destinada aos desbravadores, é rica em gás natural e com torres petrolíferas que extraem ativamente o produto do subsolo, tem ainda minas de ouro e carvão, apresentando áreas gigantescas de floresta. 

Inverno constante

Talvez o mito mais disseminado sobre o lugar é que “só faz frio na Sibéria”, e isso está espalhado tanto dentro, quanto fora da Rússia. É verdade que nos meses em que é inverno no hemisfério Norte, há a necessidade de se tirar do armário, as botas de inverno, gorros e luvas bem compridas, mas por ser um grande pedaço da Eurásia, a Sibéria, é também um paraíso para quem lá viaja, nos meses de verão, como junho. 

No extremo norte, em Krasnoiarsk, há o povoado de Dikson, com morros de neve, as águas congeladas do mar Cáspio e a população com casacões pelas ruas, afinal de contas ali é o Ártico.

Publicidade
Publicidade

Por outro lado, quando os turistas vão mais para o sul da região, encontrarão estudantes pegando sol às margens do rio Ienissei e famílias inteiras com as crianças de patins ou bicicleta no parque central local, que é a ilha de Tatichev. O mês de junho é marcado pelo frescor da primavera nas montanhas de Altai por causa da altitude. 

Ursos

Nas extensas porções de taiga da região, encontram-se numerosos ursos pardos, mas é um equívoco dizer que “na Sibéria, há ursos andando pelas ruas”, ou seja, o viajante, provavelmente, encontrará um urso se for à caça na cadeia montanhosa de Saian, nos vilarejos de Tafalari, na região de Irkutsk, ou nas areias de Tcharsk. 

Obviamente, quando há incêndios ou escassez de alimentos como frutinhas silvestres e sementes na floresta, podem surgir alguns ursos nas periferias das cidades, mas mesmo os animais preferem não ter esses encontros com os humanos.

Publicidade

Daí o urso ser o símbolo da Sibéria, mas vale frisar que, quando o turista se encaminha para o sul de Altai, encontra também falcões, gato-de-pallas ou manul, corça, a gazela mongol e cervos. 

Lugar perigoso

É algo comum se ouvir de que a Sibéria é um lugar bastante perigoso, e isso se dá, principalmente, porque no período soviético, o local, além dos montes Urais, possuía campos para trabalhos forçados, os gulags, onde viviam e trabalhavam milhares de prisioneiros em condições terríveis ou os considerados inimigos do regime. 

Hoje, isso não existe mais, pois a Sibéria recebe turistas de todas as regiões do mundo, inclusive um número considerável de brasileiros, que aproveitam da hospitalidade generosa do povo local, que, embora possam parecer um pouco secos, são pessoas de índole boa. Enfim, fica comprovado, de que a Sibéria de fato, é um pedaço do paraíso na Terra! #Natureza #Turismo #Curiosidades