Cenário de tantos eventos históricos, não somente musicais, mas também da própria vida de tantas pessoas, mais uma vez o Hangar 110 recebeu numa noite de sábado um daqueles shows para guardarmos com carinho na “prateleira interna do coração”: Hateen.

O “ódio adolescente” de Koala e companhia se mostra cada vez mais maduro na alquimia de transformar relações humanas dolorosas e desajustes existenciais que todo mundo passa, passou, ou ainda passará, em amor, positividade e canções para se berrar com toda força de nossos corações.

Antes do show da banda, que lançava seu mais novo disco denominado “Não vai mais ter tristeza aqui”, sétimo da carreira, que começou com Hydrophobia (1996), Dear Life (2000), o ao vivo More Live Than Dead (2002), Loved (2004), Procedimentos de Emergência (2006), e Obrigado Tempestade (2011), rolaram shows das bandas Rawfire, Montese e magüeRbeS.

Publicidade
Publicidade

Guitarras pesadas e sentimentos à flor da pele: performance da banda contagiou

Aos magüeRbeS, veteranos da cena underground paulistana, coube a missão de preceder o grande show da noite. E mandaram muito bem num som bem característico da banda, que além do instrumental impecável e carregado das mais diferentes nuances do rock, tem na figura ímpar de seu vocalista Haroldo Paranhos, um dos pontos mais altos de seus shows.

O repertório foi baseado em “clássicos” como a canção “Cindy Lauper”, “Caráter”, e outras do disco mais recente do grupo, o ‘Obrigado Vida’. Belíssimo show, como sempre.

Não demorou muito e o Hateen mostrou um set com uma pegada mais pesada, com ênfase nas novas canções, sem abandonar as mais antigas. Um dos momentos mais emocionantes foi a execução da faixa “Despedida (em dó menor)”, composta pela banda e por um amigo dos caras, o “Manu”.

Publicidade

A letra fala sobre saudade, e é baseada na passagem da mãe de “Manu” para o outro plano.

Outro momento arrepiante também foi “Perfeitamente Imperfeito”, canção que o compositor e vocalista Koala diz se referir a todos os desajustados do mundo. Com a voz muitas vezes embargada, era nítido o alto teor de verdade em cada palavra cantada, muitas vezes em uníssono pelos presentes, como em “1997”, “Você não pode desistir” e “12 passos”.

Sem contar o já hit "Passa o tempo", com a participação da cantora Dani Vellocet ( veja no vídeo abaixo):

Os fãs saíram gratos, e muitos deles convencidos de que o Hateen continua mais ativo do que nunca.

  #Entretenimento #Famosos #Música