Estreia nessa quinta-feira (1º), em São Paulo, a peça "Comendo Brecht", com direção de Genes Holder, que, através da metodologia de Bertholt Brecht, busca uma reflexão do ser humano contemporâneo pelos olhos do espectador.

Como uma ode ao diretor e dramaturgo alemão, a peça escrita por Genes Holder tem como objetivo a reflexão, por parte do espectador, sobre a posição do homem enquanto ser social e seu lugar no mundo caótico em que vivemos. Por meio de diversos questionamentos que permeiam a vida de cada pessoa e o que é o "ser social", a peça procura estabelecer uma relação de cumplicidade com a plateia, fazendo com que ela busque uma reflexão através dos questionamentos revelados no decorrer do espetáculo.

Publicidade
Publicidade

Desta maneira, dez atores intercalam momentos de declamação textual, poemas, poesias e músicas, representando as causas e o efeitos dos acontecimentos da nossa sociedade. De forma objetiva, o jogo cênico e a narrativa visam abrir um campo de visão amplificado sobre as questões do mundo e os seres que o habitam através das metodologias presentes no teatro de Brecht, tudo isso de forma leve e dinâmica. A busca da relação ator-texto-espectador.

 “Em 'Comendo Brecht’' deixo toda forma de expressão se sobrepor. Deixo que o outro esqueça seus defeitos e aponte os dos outros, desde que o seu também possa ser visto e criticado, vista pelo caleidoscópio da sociedade e suas mazelas. Um encenador pode optar por diversas linguagens na sua encenação, para não permitir que um texto fragmentado deixe de gerar diversas possibilidades de entendimentos”, declara Genes Holder, autor e diretor da peça.

Publicidade

Eugen Bertholt Friedricg Brecht (1898 –1956 ; Augsburg - Berlim Leste), foi um dramaturgo, encenador e poeta alemão do século XX que, através do seu trabalho, deixou seu legado na história do #Teatro. Um dos grandes responsáveis por aprofundar o teatro épico, a metodologia de Brecht possui características marcantes, como a quebra da quarta parede, que estabelece a relação ator-espectador, por exemplo. Ele sempre viu seu teatro como arma de conscientização e politização, buscando sempre um questionamento crítico e social, revelando a verdade, sempre concreta, trazendo à tona as circunstâncias que movem a vida de suas personagens por meio de um realismo crítico. Sempre reformulando a si mesmo, alterando sua forma de pensar, imbuído do mundo ao seu redor, seus ensinamentos permeiam até hoje as formas de se fazer e de se questionar o teatro, fazendo com que Bertholt Brecht seja um contemporâneo, um homem à frente de seu tempo.

A peça estreia dia 1º de setembro, no Teatro do Ator Praça Franklin Roosevelt, 172 - Centro, São Paulo, e fica em cartaz todas as quintas-feiras do mês, com ingressos a 20 reais.