Diversos são os benefícios que a relação íntima proporciona. Apesar de existirem algumas poucas situações que não são recomendadas para a prática, em sua maioria os efeitos são positivos, saudáveis e agradáveis, principalmente em uma relação estável. Abaixo, separamos algumas coisas que acontecem com o corpo humano ao fazer #amor.

Estimulação do olfato

Cientistas da Universidade de Calgary, no Canadá, estudaram e investigaram os efeitos da prática de relações íntimas em relação aos sentidos humanos, e descobriram que um hormônio chamado prolactina aumentou significativamente após o clímax ser atingido em uma relação. Esse hormônio cria novas células nervosas responsáveis pela melhora do funcionamento do olfato.

Publicidade
Publicidade

  

Melhora da memória e aprendizado

Estudos apresentados na revista PlosOne dizem que a prática melhora o aprendizado, pois estimula o crescimento de células em uma parte do cérebro responsável pela memória, o hipocampo. Entretanto, o estudo foi realizado em aves, não estando ainda provado o mesmo efeito nos seres humanos.

Inibição de dor

A relação pode provocar uma inibição de liberação de transmissores responsáveis pela dor. Isso acaba agindo como um analgésico, provocando, mesmo que momentaneamente, um alívio de uma possível dor sentida.  

Prevenção da incontinência

Incontinência é a perda do controle do fluxo de urina. A prática de relação íntima fortalece os músculos responsáveis por essa perda de controle, e isso ajudará a prevenir esse desconforto, a curto ou longo prazo, dependendo do caso.

Publicidade

Melhora o sono

Após o #sexo, o corpo procura relaxar. Isso proporciona uma melhor qualidade no sono, o que aconselharia a prática à noite.Estudos revelam que a relação sexual é equivalente a três miligramas desses remédios farmacêuticos usados para insônia.

Prevenção de doenças

Uma vida sexual ativa previne várias doenças como derrames, problemas cardíacos e próstata. Esse último foi confirmado por pesquisadores da Universidade de Nottingham, que, em estudo, mostraram que homens acima de 50 anos com vida sexual ativa desfrutam de riscos bem menores de desenvolver a doença.     #Curiosidades