Já ouviu falar em “bucket list” (literalmente “lista do balde”, em inglês)? Enquanto nós usamos a expressão “chutar o balde”, para expressar a raiva de alguém que rompe relações e abandona compromissos, ela, em inglês, é um eufemismo informal para morrer, algo como os nossos “esticar as canelas” e “bater as botas”. Nunca viu, naqueles desenhos estilo Tom e Jerry, um personagem caído literalmente chutar um balde quando pensa que está morrendo? Pois é. A “lista do balde” é, portanto, a lista de coisas que alguém quer fazer antes de (espera-se) ir desta para a melhor. Com esse sentido, a frase se originou (ou pelo menos foi popularizada) no filme Bucket List, que no Brasil apropriadamente, recebeu o título Antes de Partir) em que os personagens de Morgan Freeman e Jack Nicholson são pacientes com câncer em estágio terminal que fogem do hospital porque querem, antes de morrer, fazer juntos as coisas de uma lista que criaram.

Publicidade
Publicidade

Bom, e você (ou eu) com isso?  Desculpe o spoiler (em mais de um sentido da palavra), mas você não vai viver para sempre - nem eu, aliás. O tempo que lhe resta de vida é um recurso limitado (é o que “lhe resta” significa) e, como dizem, não somos consultado quando vimos para este mundo e também não somos consultados quando nos vamos dele. E pode ser a qualquer hora. Que tal realizar uns sonhos antes?

Bronnie Ware, enfermeira australiana, depois de anos trabalhando com pacientes terminais, escreveu um livro, Antes de Partir: Uma Vida Transformada pelo Convívio com Pessoas Diante da Morte. Nele, ela fala dos arrependimentos mais comuns no fim da vida: ter vivido como os outros queriam em vez de como queria, ter se afastado dos amigos, ter trabalhado demais (parece que o velho ditado é verdade:  na hora da morte, ninguém deseja ter passado mais tempo no escritório), não ter sido mais aberto quanto aos próprios sentimentos e não ter se permitido ser feliz.

Publicidade

Bom, todos esses casos são assunto para uma vida inteira de constante autoaperfeiçoamento, mas enquanto trata disso, que tal algumas sugestões para sua “lista do balde”?

Bancar o mochileiro: sair pelo mundo carregando pouco coisa, hospedar-se em albergues, misturar-se com a população local, ver o mundo de um outro ponto de vista.

Pular de paraquedas: procurando fortes emoções e testar seu sangue-frio? Nada é igual à sensação inicial de queda livre e depois o pouso em segurança (se tudo der certo)

Morar em outro país: um jeito maravilhoso de conhecer outras culturas e a sua própria, vendo que costumes que lhe pareciam óbvios e universais são só a moda no seu mundinho.

Assistir a uma final de Copa do Mundo in loco: bom, se você perdeu a chance no Maracanã, fique avisado: a próxima Copa vai ser na Rússia, 2018. #sexo #viajar #ménage