Você sabia que os homens costumam passar, em média, menos de 4 minutos na cama com uma #Mulher durante uma relação sexual? Pois isso foi o que alguns especialistas descobriram recentemente. E você, acha que isso seria verdade?

De acordo com o que diz o ‘Journal of Sexual Medicine’, o #Homem, normalmente consegue atingir o ápice do prazer durante uma relação íntima, depois de apenas 3 minutos e 45 segundos na cama com uma mulher. Mas, segundo o mesmo estudo, as moças não gostam muito disso e queriam que seus amantes ficassem, pelo menos, 23 minutos a mais com elas neste momento.

Além de não saber quanto tempo é normal um homem estar ativo em uma #relação íntima, muitos também não sabem que existem exercícios que podem ajudá-lo a aprimorar o seu desempenho na cama.

Publicidade
Publicidade

Enfim, são métodos que podem fazer com que ele dure mais tempo antes de dar um ‘adeus’ a sua parceira depois do amor.

Assim como qualquer outra atividade física, uma relação íntima também pode ser aprimorada se a pessoa tiver um bom condicionamento.  Para isso, exercícios de ‘assoalho pélvico’ são os mais indicados, segundo Scott Hays, um sexólogo especialista no assunto que afirmou que tal prática, foi estudada e comprovada cientificamente e é realmente benéfica.

Em tal estudo, feito na Suécia em um congresso de Urologia, foram analisados homens com idades entre 19 a 46 anos que tinham em seu curriculum, a média de 31,7 segundos os quais duravam em relações íntimas, ou seja, menos de 1 minuto na cama. Desse modo, um tanto problemáticos, eles realizaram os exercícios por 12 semanas e, no final, eles passaram a conseguir permanecer mais tempo, mais ou menos 146,2 segundos, ou seja, mais de 2 minutos.

Publicidade

Para praticar o exercício de assoalho pélvico, o homem deve contrair o músculo que interrompe a urina por cerca de 3 a 5 segundos e depois, soltar. Então, ele deve repeti-lo dez vezes, fazendo isso em, pelo menos, três vezes ao dia. Além de fazer com que o homem dure mais tempo na cama, a prática também pode fazer com que o órgão genital masculino fique mais rígido, enfim, é altamente benéfico, segundo Scott.