Pensar em uma viagem não requer apenas planejamento e dispêndio de tempo; é uma das melhores coisas para aproveitar, descansar e nos deixar mais felizes, dinâmicos, saudáveis e rejuvenescidos. Veja só quantos motivos você tem para viajar: #bem estar #Dicas

  • Se você não tem dinheiro suficiente para fazer aquela viagem tão sonhada para o lugar que amaria conhecer antes de morrer, não se desespere: em vez de ir ao shopping center e gastar em bugigangas, por que não conhecer aquela cidade ali ao lado? Está tão perto e, de repente, podem-se descobrir muitas outras coisas: andar de teleférico, degustar vinho numa vinícola. Dar asas à novidade, pois é um magnífico exercício para a memória;
  • Viajar pode se converter em uma ótima atividade física; conhecer lugares exige que se coloque um bom e confortável calçado. Durante o passeio, é normal ir de um destino a outro andando. É um belo início para caminhar mais todos os dias e não ficar enfurnado em casa;
  • A escola ensina que os seres humanos são gregários, mas já pensou pela sua cabeça de que viajar sozinho tem suas vantagens? Isso é uma tendência e não se envergonhe: não ter ninguém ao lado conduz a uma incrível experiência de autoconhecimento e amadurecimento interior. Não deixa de ser um desafio, se pensarmos em encontrar gente que nunca vimos na vida. Desafios abrem a possibilidade de autodesenvolvimento. Deixe o medo e a timidez de lado! Não sabe o idioma? A mímica é uma linguagem universal;
  • O item anterior é um bom gancho para concluir que viajar torna-nos melhor culturalmente. Aquela visita “enfadonha” ao museu pode se transformar em um processo de arejamento mental, uma volta ao passado. Gostando do que vemos, a História se revela ao vivo e em cores. Uma descoberta interessante que causa reflexão sobre o que somos hoje. Compara nosso modo de vida com o de nossos antepassados;
  • Uma coisa puxa outra: nesse arejamento distante de casa, você fica a par de elementos e hábitos diferentes. Travar conhecimento com a língua, a música, a culinária, o esporte, etc. pode ser uma pista daquela paixão enterrada para iniciar ou desenvolver um talento. Se você foi para a Espanha e se encantou com o flamenco, já pensou em estudar violão ou dançar? Viajar faz abrir a cabeça e pode modificar aquela “vidinha” monótona;
  • Quando se está em outro lugar, é inevitável fazer perguntas. A rotina não nos deixa a porta aberta para fazer questionamentos. O diferente estimula não só o poder de perguntar ou de se perguntar, como incentiva as habilidades de ver um problema ou enxergar uma solução diante de outros pontos de vista. A luz da criatividade se acende;
  • De toda bagagem experimentada e vista durante a viagem, nasce uma série de ideias instigantes, onde o que se viu pode ser praticado com o objetivo de melhorar o aproveitamento da cidade na qual habitamos. Se você viu algum evento ou iniciativa legal que o inspirou, por que não trazer e colocar em ação?
  • Fazer uma viagem envolve um planejamento e execução demorados. Escolher o destino, o que levar, o que não levar, o que não esquecer, o que é dispensável, etc. Durante a viagem, alguns percalços e situações estressantes aparecem. Apesar dos perrengues pontuais, quem sai lucrando é você. Ao lado das fotos, conte suas trapalhadas e cenas bem-humoradas com os amigos e familiares;
  • Você leu tudo isso até agora e não se convenceu de ir sozinho? Não tem problema; outra maneira de aproveitar é convidar os amigos e próximos para fazer um fim de semana relaxante e social. Vale o grupo de trabalho, os tempos do colegial, a turma do esporte... Com certeza, será algo divertido e prazeroso o reforçar dos laços com o grupo escolhido. Uma experiência a mais tanto para o seu histórico de vida;
  • Se o seu tempo é curto e não pode fazer uma viagem de longa distância, já pensou no fim de semana? Se é pouco tempo? Os guias de #Turismo asseguram que basta um sábado e um domingo para sentir os benefícios de uma viagem. Muitos contam que é uma terapia mental ficar longe de casa por apenas dois dias.