Depois do incêndio da primeira paixão, não importa quantas vezes haja chamas no coração de um homem, não é mais a mesma coisa: certas partes do coração não pegam mais fogo por terem já virado cinzas da primeira vez. Há certas coisas que um homem só faz no seu primeiro #amor, enquanto ainda está aprendendo a amar e ser amado, ainda está testando a difícil interação entre paixão, orgulho pessoal e bom senso (depois de um certo tempo, o orgulho pessoal e o bom senso começam previsivelmente a ganhar um número cada vez maior de confrontos).

Apresentar logo para os pais - Da primeira vez que um homem se apaixona, a amada parece tão perfeita e o amor que ela desperta nele algo tão sublime que não resta dúvidas de que ela é e sempre será a mulher da vida dele.

Publicidade
Publicidade

Viver sem ela parece algo inconcebível. Nessas circunstâncias – e praticamente só nelas --, parece fazer todo sentido do mundo apresentar a moça aos “sogros”. Com a experiência de outros amores e de anteriores rompimentos, o homem costuma se tornar bem mais cauteloso, a pesar com mais cuidado a sensatez a conveniência de apresentar a paquera do momento aos pais.

Fazer tudo o eu ela quer, ceder a todas suas chantagens, cair na manha dela – Estreando na vida romântica, é difícil para o homem definir o que é normal, daí acabam, por fazer tudo o que ela quer. Com a experiência, ele fica calejado e aprende a dizer “não”, quando razoável.

Trocar os amigos pela namorada - Os ardores do primeiro amor e a inexperiência do namorado de primeira viagem contribuem para que os amigos sejam colocados para escanteio, ainda mais se a namorada tiver ciúmes deles, do tempo em que passam juntos com o namorado.

Publicidade

Com o tempo, depois de passar por outros amores, cada um “infinito enquanto dure”, fica mais fácil entender o valor relativo das coisas e recusar-se a deixar os amigos de lado só por não agradarem ao seu amor. Enfim, a experiência e a reflexão acabam ensinando que “uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa” e que amor e amizade têm seus lugares apropriados na vida de um homem e um não deve subjugar o outro.

Contar tudo, sempre - Só por que os relacionamentos depois do primeiro amor são triunfos da esperança sobre a experiência, como dizia o escritor britânico Samuel Johnson sobre as segundas núpcias, não quer dizer que a experiência não tenha ainda seu papel no caso. Com o tempo, vendo os contratempos e chateações que excesso de sinceridade – especialmente sobre o passado – causa, o homem tende a omitir certas informações, quando ele sente que elas não têm mais nada a ver com o presente, mas podem causar questionamentos, crises de ciúmes e outras tempestades em copos d’água.  

Mudar por ela – Você talvez conheça a velha gracinha que diz que as mulheres gastam anos tentando mudar um homem e depois reclamam que ele não é mais o homem por quem se apaixonaram.

Publicidade

Bom, deixando de lado as mudanças que o próprio tempo atrás e falando só das mudanças que ela provoca por insistência, elas provavelmente são mais comuns no primeiro amor. À medida que um homem se envolve com diferentes mulheres e experimenta o amor em diversas formas, ele vai se questionando sobre a necessidade de mudar por amor.

Claro, regras têm exceções e nenhum manual consegue abranger todas as formas que a experiência romântica toma. Vai ver que, em certos caos, “primeiro amor” não tem nada a ver com a cronologia. Quando será seu próximo primeiro amor, leitor/leitora? #sexo #nomoro