Publicidade
Publicidade

Neste último final de semana, mais especificamente o sábado 16/09/2017, o uso e a prática da bicicleta ganhou uma nova feição. Para aqueles que são desprovidos do sentido da visão, a experiência de pedalar uma bicicleta ganhou um novo sentido.

Desembarcou em #São Paulo, no Parque Villa-Lobos, o projeto “Pedaleiros” que visa à prática de se andar de ‘bike’ para os deficientes visuais. O evento ocorreu entre os horários das 10 h às 14 h do último sábado.

O projeto vem dando certo desde sua criação em 2015, no Rio de Janeiro. Na “Cidade Maravilhosa”, houve nove edições e mais seis ocorrerão em breve. Os organizadores do projeto estimam que cerca de 1200 pessoas já se beneficiaram, passeando por vários pontos da capital carioca sobre a “magrela”.

Publicidade

Objetivo e propósito

Seu principal objetivo é fornecer e quebrar a barreira da mobilidade – um item difícil para o cotidiano dos deficientes em geral -, tirando do isolamento social e buscando uma maior convivência com todas as pessoas. Estima-se que na totalidade das participações, registrou-se a presença de 40 mil pessoas. E é justamente isso o que a organizadora do evento quer: atingir uma quantidade de público cada vez maior.

Para os deficientes visuais, significa um aproveitamento maior da liberdade. Para os que enxergam, é uma maneira de causar impacto e chamar atenção para os que são mais desprovidos.

Antes de se chegar ao objetivo de pedalar pelo parque, o “Pedaleiros” recruta guias que passam previamente por um treinamento. Após a fase de capacitação, opta-se pela escolha de uma bicicleta no formato “tandem”, comprida e com mais de um assento para que tanto o guia quanto o passageiro/pedaleiro deficiente usufruam do passeio.

Publicidade

Durante o percurso, o guia narra a descrição do caminho ao “novato”.

A iniciativa também pode ser compartilhada por aqueles que não são deficientes visuais, mas se interessam de alguma forma pela proposta do “Pedaleiros”. Para isso, no momento de pedalar, uma venda é fornecida ao candidato para ser usada durante o percurso.

O projeto tem um cunho simbólico para os que não veem e para aqueles que veem. O público sente a alegria de o vento bater em sua face ao realizar a atividade. A experiência é de um voo, libertar-se de uma limitação do corpo. Transcender.

Números

De acordo com dados do Censo de 2010, realizado pelo IBGE, há mais de 6,5 milhões de brasileiros com algum tipo de deficiência visual, sendo que 582 mil são cegos absolutos e seis milhões possuem baixa visão ou a tem comprometida.

Espera-se que as seis edições marcadas para o Rio venham acompanhadas de mais uma edição em Sampa. #Inclusão social #Inovação