Revolta é o que melhor resume os sentimentos da família de Guillermo Portugal. O tenente da Marinha, de 24 anos, ficou em coma depois de um treinamento em área no dia 30 de setembro, providenciado pelo CIGS - Centro de Instrução de Guerra na Selva, em Manaus

Após sete horas passando mal no meio da floresta, Guillermo foi resgatado por um helicóptero para um hospital militar. O tenente continua internado em coma. O pai do tenente Portugal, Saumir Portugal, informou que o filho teve traumatismo craniano e contraiu uma doença que debilita os músculos, causando também insuficiência dos rins.

Saumir diz que as únicas informações que recebeu é que seu filho estava caminhando na selva quando teve convulsões durante o treinamento.

Publicidade
Publicidade

O que o pai do tenente acha estranho é que Guillermo estava muito ferido, arranhado e com um dos olhos roxo. Saumir afirma que foi alertado sobre o ocorrido somente no dia primeiro de outubro. Foi enviado aos pais do militar uma carta da Marinha, citando a participação de Guillermo na Operação Tucunaré.

Socorro e atendimento

Segundo a carta, Guillermo passou mal às 16 horas, porém, o hospital registrou sua entrada após 7 horas do ocorrido. O tenente entrou em convulsão às 17 horas e 15 minutos. O helicóptero que o resgatou chegou às 19 horas e 50 minutos. A floresta onde Guillermo estava é fechada, sendo de difícil acesso para o socorro. 

Saumir Portugal pontua que o Exército disse ter recebido o tenente em estado deplorável. Guillermo não foi levado imediatamente à UTI, pois ainda passou muito tempo sendo higienizado na emergência.

Publicidade

Os médicos disseram que o militar não sobreviveria, segundo Saumir. A família relata que mantém a esperança, pois Guillermo está sedado e em diálise. Um edema cerebral foi realizado para minimizar os efeitos dos impactos na cabeça.

A Marinha informa que sente profundamente pelo ocorrido, prestando ajuda e todo o apoio possível para os familiares e para o tenente Guillermo Portugal. Um inquérito foi instaurado para investigar o acidente. #Amazonas #Investigação Criminal