O caso do abate de uma onça pintada está dando o que falar, sobretudo entre os ativistas dos direitos dos #Animais. Nessa segunda-feira, 20, um zoológico da zona oeste de Manaus recebeu a Tocha Olímpica, que está fazendo um tour pelo país antes das Olimpíadas de agosto.

Em meio a cerimônia, onças pintadas foram utilizadas por militares e pouco depois do encerramento do evento, uma delas foi abatida no zoológico do CIGS ( Centro de Instrução de Guerra da Selva).

Devido a polêmica e repercussão do caso, o CMA (Comando Militar da Amazônia) emitiu uma nota em que declarou que a onça teria escapado da jaula após o fechamento do CIGS (ou seja, não haviam mais visitantes).

Publicidade
Publicidade

Segundo o Comando, os veterinários tentaram resgatar o animal utilizando-se de tranquilizantes, mas a onça correu em direção à um militar, que desferiu um tiro de pistola no animal para se proteger. A onça morreu no local instantes após ser alvejada.

A nota finaliza afirmando que abriu um processo administrativo para apurar o caso. o Ipaam (Instituto de Proteção Ambiental do #Amazonas) também foi acionado para conferir um parecer, mas ainda não há nota oficial do órgão.

O evento

essa solenidade de recebimento da Tocha Olímpica já foi questionado antes mesmo de se saber do óbito do animal. As onças foram trazidas por alguns militares para participarem da apresentação, todas elas com coleiras reforçadas e correntes, como se fossem cachorros ou animais de circo.

A cerimônia não demonstrou nenhum ato de violência com os animais, mas a forma como ocorreu a exposição dos felinos silvestres para a 'festa' olímpica já geraram repúdio de milhares de pessoas na internet.

Publicidade

Muitas pessoas questionaram por qual motivo retiraram um animal selvagem da natureza amazônica para o exibirem para os seres humanos e as câmeras e depois o abaterem.

Embora a nota do CMA não tenha dado nenhuma informação sobre a onça alvejada mortalmente, sabe-se que ela vivia no zoo militar há algum tempo. A maior parte dos animais do local são espécies em extinção ou que foram resgatas e acabaram ficando no zoo por não conseguirem se readaptar ao meio ambiente. Não há informações oficiais sobre animais que já nasceram em cativeiro, que foram caçados, doados ou comprados de qualquer outro local do Brasil ou do mundo para integrarem o zoo.

Qual a sua opinião sobre esse caso? Opine deixando um comentário. #Rio2016