Foi preso esta segunda-feira em Manaus, no #Amazonas, o padrasto do bebê, de um ano e quatro meses, hospitalizado no domingo, com diversas mordidas no corpo, além de lesões no pênis. O suspeito, que tem 17 anos, foi preso na casa da avó e confessou o #Crime, dizendo que estava sob efeito de drogas. A mãe da criança, que tem 22 anos, diz não ter conhecimento do crime e foi presa no domingo, ao prestar depoimento.

De acordo com a delegada da Delegacia Especializada em Proteção à Criança e ao Adolescente (Depca), Juliana Tuma, o adolescente confessou ter estuprado e mordido a criança, e que tinha cheirado pó no momento do crime.

Publicidade
Publicidade

Relatou ainda em depoimento que a criança dormia na cama do casal, entre os dois, e que, por diversas vezes, teria sufocado o neném e que o mesmo gritava muito. Afirmou ainda que não entende como a mãe não ouvia o choro dele. 

O adolescente continuará preso e aguardará decisão da justiça na Delegacia Especializada em Apuração de Atos Infracionais (Deaai). Será indiciado por estupro de vulnerável e tortura.

Participação da mãe

Na delegacia, a mãe se diz revoltada e com ódio do rapaz. Diz estar pagando por algo que não fez, e continua negando qualquer tipo de envolvimento. Fala ainda que nem imaginava que ele fazia essas barbaridades com seu filho, pois ele acalentava a criança. Mesmo assim, segundo a delegada, foi indiciada por estupro de vulnerável e tortura, além de responder criminalmente por omissão.

Publicidade

Entenda o caso

A mãe da criança foi encaminhada à delegacia, nesse domindo, 12 de junho, após levar o filho para atendimento na Zona Leste de Manaus, no Pronto-Socorro da Criança João Lúcio. 

Segundo a pediatra que fez o atendimento da criança, na unidade de saúde, o menino de um ano e quatro meses apresentava marcas de agressão: hematomas de espancamento e muitas marcas de mordidas pelo corpo, além de ferimentos no pênis. No momento do atendimento, a família negou qualquer tipo de violência contra o bebê. 

A mãe chegou informando que o menino tinha caído do velocípede. Conforme a médica, Aline Coelho Cordeiro, a criança chorava muito, e tinha o corpo cheio de mordidas: a cabeça, bochecha, tronco, perna, inclusive o órgão genital. E a mãe se portava friamente. O caso revoltou as pessoas que estavam no local, no momento do atendimento, bem como a equipe médica, que conhece muito bem os sintomas de uma criança que cai. 

De acordo com a delegada do caso, a criança voltou a ser internada e já ficou comprovado, através do exames de corpo de delito, que realmente as marcas de mordidas no corpo e no órgão genital do menino foram praticadas por um adulto.