O ano de 2017 começou tenso em Manaus. Fugas e mortes marcaram o início conturbado do ano, no Amazonas. De acordo com uma matéria publicada pelo site G1, da Globo, detentos se rebelaram na Penitenciária Anísio Jobim (Compaj), neste domingo (1). A penitenciária fica localizada no Km 8, da BR-174, em Manaus. Segundo informações cedidas pela Secretaria de Segurança Pública do Amazonas SSP-AM, houve pelo menos 12 reféns, alguns detentos conseguiram fugir e o número de mortos não foi divulgado até o presente momento. Ainda, segundo a Secretaria Pública, tudo começou devido a uma possível disputa entre facções.

A #Rebelião teve início no começo da tarde.

Publicidade
Publicidade

Segundo a SSP, foram arremessados para fora do sistema carcerário os corpos de seis pessoas, os quais foram degolados - ainda não houve a identificação destes corpos.

Até as 22h50 (horário de Brasília), a SSP-AM confirmou que há 12 agentes da penitenciária sendo mantidos como reféns. Neste período, estavam sendo feitas as devidas negociações na tentativa de que liberassem dois dos agentes. Os demais funcionários que estavam no interior da unidade prisional tiveram êxito na tentativa de escapar. Além dos agentes, vários presos também estão sendo mantidos como reféns. O número exato não foi divulgado.

A SSP-AM também informou que ainda não adentrou na unidade carcerária para realizar a verificação da real situação em seu interior e que, devido a esse motivo, não foi possível que o número exato de mortos fossem contabilizados.

Publicidade

Sérgio Fontes, secretário de Segurança Pública, informou que houve sim algumas fugas no Compaj, porém, os números exatos não foram confirmados. Em um período anterior, a pasta afirmou que houve fuga também do instituto Penal Antônio Trindade (Ipat), que fica localizado no mesmo complexo. A Secretaria informou através de uma coletiva de imprensa, que 15 já foram apreendidos novamente, alguns destes detentos estavam escondidos na área de matagal em torno do presídio.

Deixe sua opinião nos comentário, ela é de extrema importância para nós. #Crime #Casos de polícia