Nos dias 14 e 15 de julho, foi realizada a VI Cúpula do BRICS em Fortaleza. O Encontro Empresarial contou com a participação de cerca de 800 empresários dos cinco países. Durante o encontro, os participantes puderam contar com seminário empresarial e rodada de negócios, além da reunião do Conselho Empresarial do BRICS e reuniões de grupos de trabalho sobre temas prioritários para os cinco países. Foram discutidas perspectivas econômicas e os desafios para o crescimento sustentável, perspectivas de integração incluindo comércio, investimento, facilitação do fluxo de pessoas e regulação.

A rodada de negócios ofereceu oportunidade de aproximação de empresários e lideranças por temas de interesses para a geração de parcerias futuras.

Publicidade
Publicidade

Alguns dos temas como Agronegócios, Mineração e Farmacêuticos estiveram em destaque durante o Encontro Empresarial.

Além da rodada, foram realizadas reuniões dos grupos de trabalho criados no âmbito do Conselho Empresarial do BRICS. Estes grupos trabalharam por conferência durante o ano de 2013 e se reuniram presencialmente pela primeira vez, aqui no Brasil. Esses grupos discutem estratégias e planos de ação para melhorar a cooperação econômica entre os membros. Durante o Encontro, alguns pontos relacionados ao lado brasileiro ficaram em destaque.

Atualmente, o Brasil passa por um momento de transição em sua economia, com baixo crescimento recente. Mesmo assim, há algumas tendências positivas relacionadas ao aumento da competitividade que já estão em andamento e devem fazer a diferença no crescimento do país nos próximos anos.

Publicidade

Complementando as tendências positivas do Brasil, é possível afirmar que o capital estrangeiro continua otimista com os rumos da economia brasileira. O capital estrangeiro investe em energia elétrica, petróleo, gás e infraestrutura logística, sobretudo portos, aeroportos e ferrovias.

O Brasil foi o quinto maior receptor de investimentos estrangeiro em 2013, com US$ 64 bilhões, atrás apenas de Estados Unidos, China, Rússia e Hong Kong. O setor de serviços e indústria estão na liderança dos setores que mais recebem investimentos no Brasil, onde investimentos, inclusive, foram direcionados à Pesquisa e Desenvolvimento, como na área de Petróleo e Gás. Além disso, a taxa de câmbio mais competitiva do Brasil permitiu aumento da rentabilidade dos investimentos relacionados à exportação.

Finalizando, há que se destacar os avanços progressivos em infraestrutura que vem ocorrendo no Brasil. Além dos projetos já mencionados, os maiores aeroportos foram concedidos à iniciativa privada, como em Brasília, São Paulo e Rio de Janeiro, por exemplo.

Políticas prioritárias relacionadas à eficiência do governo, estabilidade macroeconômica, segurança jurídica, investimentos em inovação e melhora substancial da educação no país também foram pontos focais no Encontro Empresarial dos países BRICS.