43 estudantes mexicanos estão desaparecidos desde a noite de 26 de setembro em Ayotzinapa, Guerrero, no México. Os parentes pedem que as pessoas continuem apoiando essa luta por justiça. Eles ainda recordam emocionados o último Natal que passaram juntos.

Segundo relatos, foram ouvidos disparos feitos por policiais municipais, quando então morreram seis jovens e vinte e cinco ficaram feridos. Há uma informação oficial, mas que as famílias não acreditam ser verdadeira, de que os estudantes teriam sido detidos por policiais e entregues ao Cartel Guerreiros Unidos e teriam sido assassinados em Cocula, vizinho à Iguala.

Publicidade
Publicidade

Na noite de Natal, os pais dos jovens desaparecidos reuniram-se em frente à casa do presidente Enrique Peña Nieto, para pedir uma resposta às autoridades e que continuem as buscas pelos estudantes, eles querem que seus filhos sejam encontrados vivos ou mortos.

Os pais gravaram um vídeo do último Natal que passaram ao lado dos filhos. "No ano passado, estávamos com toda a família reunida", disse Epifanio Àlvarez, pai de Jorge Àlvarez. "Será um Natal triste, sem ele e seus amigos", salientou Maria Inês Abraján, tia de Adan Abraján. "Na minha casa não celebraremos o Natal, porque sempre terei recordações do meu filho", ressaltou Margarida Rodriguez, mãe de Miguel Zacarias.

A tristeza, a dor e a saudade na vida dessas pessoas é imensurável diante da perda tão brusca de seus filhos amados.

Publicidade

Não é possível aceitar um fato tão lamentável sem sentir revolta e dor, é preciso que se apoie essas famílias nessa hora tão trágica em que se encontram sem uma resposta para suas lágrimas.

O governo tem que ser pressionado a dar uma satisfação, pelo menos para que esses pais possam chorar a perda dos filhos com um pouco mais de dignidade. Só depois que forem encontrados é que poderão ter um pouco de paz, já que essa ferida nunca mais será cicatrizada. Eles temem não encontrar mais seus meninos com vida, por isso pedem uma solução urgente.

Até agora somente os restos mortais de um dos 43 estudantes desaparecidos foi identificado.