Um acontecimento que certamente estará em pauta nas retrospectivas de fim de ano é o desaparecimento do avião da Malaysia Airlines que perdeu contato no último dia 07 de março, partindo de Kuala Lumpur. Ele nunca mais foi visto.

O avião simplesmente desapareceu. Muito se falou após o acidente. Jornais e sites do mundo todo publicaram notícias a respeito dos destroços do avião, mas nada foi confirmado. Suspeita-se que o avião tenha caído no oceano índico. Foram encontrados objetos flutuando na área em torno de onde se imagina que o avião tenha caído, mas é impossível saber se esses objetos são destroços do Boeing 777 da Malaysia Airlines.

Publicidade
Publicidade

O voo MH370 tinha como destino Pequim e estava com 239 passageiros a bordo, a maioria chineses.

Após vários meses após seu desaparecimento, líderes de vários países uniram forças na busca por uma resposta. Equipamentos usados nas buscas são capazes de encontrar objetos a uma profundidade de até 6 mil metros de profundidade. Foram usados também sonares e câmeras especializadas.

O governo australiano, país que fica na região onde supostamente o avião poderia ter caído, declarou em outubro que fez um investimento de mais de U$ 80 milhões para os próximos dois anos para encontrar algo.

Autoridades australianas informaram que o provavelmente o piloto tenha despressurizado a cabine de propósito, o que fez com que as máscaras de oxigênio caíssem, mas as máscaras forneceram oxigênio por somente 20 minutos.

Publicidade

Após isso, os passageiros morreram asfixiados.

Essas últimas informações foram dadas por dois peritos em acidentes aéreos e foram publicadas em um livro lançado há pouco tempo. O livro afirma ainda que o piloto trancou o copiloto do lado de fora da cabine e pousou a aeronave no mar, fazendo com ela afundasse sem deixar muitos destroços.

O empenho na busca pelo avião que pousaria na China provavelmente gerará o maior custo financeiro da história da aviação, pois as buscas ainda não terminaram e podem se arrastar por anos.

O que se sabe até agora é que a aeronave desviou-se da rota original e que o aparelho que envia dados sobre sua localização, o transponder, foi desligado. Muitas perguntas ainda estão sem respostas e há inúmeras suspeitas sobre o motivo que causou a tragédia, inclusive a hipótese de suicídio do piloto.