Na última semana, cerca de 200 homens da tribo, chamada Mashco-Piro, invadiram o vilarejo de Monte Salvado, perto da fronteira com o Brasil, armados com arco e flecha. "Não houve ferimentos, apesar dos indígenas dispararem as flechas" disse Patricia Balbuena, ministra para assuntos interculturais.

"Os moradores do vilarejo se refugiaram num posto de guarda. Eles estão seguros, mas não há comida e estão aterrorizados." Os oficiais estão movendo 39 pessoas, sendo 16 crianças, juntamente com mais 22 pessoas de Puerto Nuevo para a capital regional Puerto Maldonado.

Os invasores levaram ferramentas, cobertores e comida, além de matarem animais domésticos.

Publicidade
Publicidade

"Acreditamos que os Mashco-Piro ainda estão na área", diz o funcionário responsável pela evacuação.

É a terceira vez no ano que os indígenas visitam a região. Segundo Lorena Pietro, diretora do Departamento de Povos em isolamento e contato inicial do Peru, geralmente famílias indígenas aparecem para pedir por comida e ferramentas e depois vão embora. "Dessa vez foram apenas homens, armados com arco e flechas, e em muito maior número que o de moradores locais. Eles atiraram flechas e saquearam todo o vilarejo - quebraram janelas, rasgaram roupas e mataram todos os animais domésticos", disse Pietro.

Balbuena disse que o vice-ministério poderia pedir conselhos a FUNAI, Fundação Nacional do Índio, órgão responsável por assuntos indígenas no Brasil.

Antropologistas estão tentando entender o que causou esse ataque.

Publicidade

Balbuena disse que a mudança climática, baixando a temperatura do local pode ser um indício e descarta que a tribo possa ter sido ameaçada por traficantes de drogas ou madeireiras ilegais, dizendo que não tem sido detectada "atividade ilegal" na região.

Beatriz Huertas, antropologista que está trabalhando com organizações indígenas peruanas, disse que quando há uma pressão no território ou ataques contra eles causa essas reações violentas. "O estado não deve pensar em mandar helicópteros. Essas situações devem ser tratadas com mais cuidado", disse Huertas. #Natureza