O aplicativo de táxi Uber (que dá acesso a um serviço de táxis privado) atualizou as suas normas de segurança em Nova Deli, na tentativa de convencer as autoridades locais a levantar a proibição proferida depois que uma mulher foi estuprada por um motorista Uber, no início de dezembro.

A empresa vai verificar todos os motoristas Uber indianos com a polícia, e realizar uma verificação independente dos seus documentos e de antecedentes. Estão também introduzindo um novo recurso de segurança chamado 'ShareMyETA' para o seu app. O botão permite aos usuários enviar seus detalhes completos da viagem a um contato, incluindo o rastreamento GPS, nome e foto do motorista.

Publicidade
Publicidade

"A segurança de nossos passageiros e motoristas é a maior prioridade para nós", diz o chefe de Marketing da Uber Deli, Saad Ahmed, "não só para os passageiros em Nova Deli, mas também para as milhões de viagens que estamos facilitando ao redor do mundo todos os dias. Recursos como o ShareMyETA estão sendo lançados pela primeira vez na Índia", continuou Ahmed. "Estamos trabalhando em mais melhorias tecnológicas e parcerias para continuar a inovar no que diz respeito à segurança."

Logo após a Uber ter suspendido seus serviços em Deli, um engenheiro do Facebook, Sriram Krishnan, argumentou que os problemas que a empresa enfrenta no país são mais difíceis de resolver do que parecem. Segundo Krishnan, a Índia tem se debatido com algumas questões sociais/culturais e é importante avisar às mulheres que viajam para a Índia, para serem muito mais conscientes do que acontece ao seu redor.

Publicidade

O simples ato de entrar em um táxi poderá ter consequências.

Mas, qual poderá ser a solução? Não é suficiente pedir a verificação de antecedentes na Índia. Foi sugerido que a Uber adotasse uma 'forma mais indiana' de verificação. Algo bobo, como pedir informação aos vizinhos dos motoristas.

Uber agora está pedindo ao governo local de Nova Deli para levantar a proibição que impôs, na sequência do ataque no início de dezembro. A empresa respeitou a proibição de seus serviços, um rumo um pouco diferente da atitude que tomou em cidades como Madrid e Frankfurt, onde a empresa passou pelas dificuldades regulatórias, sem nunca parar o seu serviço.

Nos resta esperar pela resposta do governo e que as alterações que a Uber vem fazendo melhorem de fato os seus serviços, para que situações como estas não voltem a acontecer.