O crescente número de mulheres solteiras acima de 30 anos na Arábia Saudita tem tirado o sono de muitos sauditas. Esta semana, o líder do Wiam Family Care Society, Mohammed Al Abdul Qadir, revelou que cerca de 1.5 milhões de mulheres sauditas com menos de 30 anos continuam solteiras e este número, segundo ele, seria equivalente a 33,4% da população. Qadir mencionou que há uma urgente necessidade de traçar um novo plano familiar saudita para daqui a 10 anos.

Porém, para muitos, este número revela nada mais é do que a realidade da sociedade saudita, local onde ainda há a prática do dote, chamado de mahr, que é dado pela família do noivo à noiva. O mahr está incluído no contrato de casamento islâmico e não há um valor estipulado para o mesmo. Ele pode ser pago no dia do casamento ou após certo tempo.

Porém, estima-se que a média estaria em torno de 20.000 dólares. Isto claro, sem contar as jóias que o noivo precisa dar à noiva, anéis de noivado e de casamento, móveis e, geralmente, todo o custo do casamento em si. Muitas famílias começam a juntar dinheiro assim que seus filhos nascem. Para muitas das famílias das noivas, é uma maneira rápida e simples de ficar rico.

Vale lembrar que, no livro sagrado dos muçulmanos, o Corão, há uma passagem que diz que o mais abençoado dos casamentos seria aquele no qual os noivos colocariam o mínimo de fardo em ambos. Porém, apesar da beleza do versículo, não tem sido assim na prática e estudiosos no assunto afirmam que é justamente este fardo ou obrigação cultural que está levando cada vez mais os homens sauditas a escolherem noivas estrangeiras.

Muitas mulheres sauditas negam este fato e alegam que o motivo estaria no grande número de mulheres que preferem continuar solteiras. Porém, os números dizem exatamente o contrário. O dote, cuja principal função seria garantir o futuro da noiva, tem se tornado o grande vilão da história devido ao seu mau uso.

Publicidade
Publicidade

Hoje, cultura e tradição ainda falam mais alto, mas será que assim continuará após o país se ver em uma crítica situação demográfica? Só o tempo dirá.