O brasileiro Marco Archer Cardoso Moreira, de 53 anos, foi condenado à pena de morte por tráfico de drogas na Indonésia.

O país considera o tráfico de drogas muito grave e o novo presidente do país, Joko Widodo, eleito em outubro de 2014, é conhecido por ser rígido contra o tráfico de drogas e não ter piedade com o narcotráfico. O presidente também mantém uma postura firme contra corrupções e defesa dos Direitos Marinhos. Widodo chegou a ordenar que explodissem embarcações que estivessem ilegais.

O brasileiro foi condenado em agosto de 2003, após tentar entrar na Indonésia com pouco mais de 13 kg de cocaína, escondidos em uma asa delta.

Publicidade
Publicidade

Marco Archer Cardoso Moreira trabalhava como instrutor de voo e ao desembarcar no país, as autoridades pediram para ver seu passaporte e ele fugiu.

O fato intrigou a alfândega, que vistoriou o equipamento e encontrou 19 pacotes contendo cocaína. O brasileiro ficou foragido por 16 dias antes de ser preso.

Pedidos de clemência

Os pedidos de clemência vêm sendo feitos desde 200,5 quando o então presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, tentou interceder junto ao governo da Indonésia. Em 2010, Lula também fez um pedido de anulação da pena de morte. Todos negados.

Na manhã desta sexta-feira (16), a presidente Dilma Rousseff fez um apelo por telefone ao presidente Joko Widodo, que negou seu pedido de clemência, alegando que todo o processo jurídico para a pena e execução do brasileiro foram cumpridos segundo as leis da Indonésia.

Publicidade

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, enviou também nesta sexta-feira (16) uma carta ao chefe do Ministério Público da Indonésia, com um pedido de adiamento do fuzilamento por oito semanas, o que daria tempo para uma conversa e negociação sobre a forma de punição imposta ao brasileiro. O pedido ainda não foi aceito.

O Itamaraty por sua vez entregou um dossiê para a Secretaria de Estado do Vaticano para que Sua Santidade, o Papa, viesse a intervir com um pedido de clemência pela vida do brasileiro. O vaticano ainda não se manifestou.

Um pedido de extradição também foi expedido pelo Itamaraty, porém as leis da Indonésia proíbem a extradição de presos condenados por tráfico de drogas.

Apesar de todos esses pedidos a execução de Archer foi mantida.

O assessor especial da presidente, Marco Aurélio Garcia, afirmou que só um milagre pode salvar a vida de Archer.

O brasileiro gravou um vídeo no qual se diz profundamente arrependido, pede desculpas à nação brasileira e diz que merece uma chance, pois todo mundo erra.

Publicidade

Ele diz ainda que quer voltar ao Brasil para que seu caso sirva como exemplo para que jovens não cometam o erro de entrar no mundo das drogas, pois ele só leva a dois caminhos: prisão ou morte.

Sobre a execução

O fuzilamento de Archer está marcado para 0:00 de domingo na Indonésia, pelo horário de Brasília seria a partir das 15h deste sábado (17).

O condenado tem o direito de escolher se quer ser fuzilado sentado ou em pé, e se colocará capuz ou venda ara esconder o rosto. O pelotão de fuzilamento é composto por 12 pessoas, dentre elas somente três carregarão fuzis com munições - os outros nove não possuem balas ou munições. Os disparos são feitos a uma distância de 5 a 10 metros. Se, após os disparos, o condenado demonstrar sinais vitais, um novo tiro será disparado em sua cabeça. Por lei, a execução é proibida de ser vista pelo público. #Justiça