O governo da Coreia do Norte criticou os Estados Unidos neste domingo por imposição de novas sanções sobre o país, depois de um ataque cibernético contra Sony Pictures, chamando-os subprodutos da "hostilidade" sob a direção do governo Norte Americano

A Coreia do Norte reiterou sua recusa de envolvimento na pirataria de Sony e disse que as sanções de Washington só reforçaria a sua determinação em prosseguir a sua política "militares em primeiro lugar". Essa política exige um acúmulo de armas, incluindo o desenvolvimento de armas nucleares, como uma "dissuasão" contra a política de Washington.

"A ação persistente e unilateral tomada pela Casa Branca em continuar com as sanções contra a Coreia do Norte prova que o governo americano continua com  a sua  hostilidade  contra a Coreia do Norte", disse um porta-voz governamental não identificado que foi citado pelo oficial da Korean Central News do Norte Agência.

Publicidade
Publicidade



As sanções retaliatórias veio dias depois de os Estados Unidos culparam oficialmente a Coreia do Norte pela  pirataria da Sony, que produziu "A Entrevista", um filme de comédia sobre uma conspiração da CIA para assassinar Kim Jong-un, líder da Coreia do Norte. A pirataria destruiu muitos dos computadores do estúdio e vazou inúmeros e-mails e arquivos particulares de negócios.

A Coreia do Norte chamou o filme de um "ato de guerra", mas negou repetidamente envolvimento no hacking. Na sua declaração, no domingo, a Coreia do Norte observou que muitos especialistas em segurança cibernética haviam expressado ceticismo sobre evidências de Washington de que o país foi o responsável pelo ataque cibernético.

Washington anunciou na sexta-feira sanções contra 10 funcionários do governo norte-coreanos e três organizações, incluindo a principal agência de inteligência da Coréia do Norte, que as autoridades americanas dizem que foi a fonte de "muitas das principais cyberoperations da Coreia do Norte."

Analistas disseram que as sanções teriam um efeito restrito porque a Coréia do Norte já sofre  duras sanções dos Estados Unidos por várias décadas.

Publicidade

#Crise