Enquanto todas as atenções estavam voltadas para o atentado terrorista ocorrido na França na última quarta-feira (7), uma série de ataques do grupo radical islâmico Boko Haram provocou a destruição de várias igrejas cristãs e a morte, segundo informações da BBC, de pelo menos 2 mil pessoas.

Nigéria é um dos países mais perigosos para os cristãos

A organização internacional "Portas Abertas" divulga anualmente um levantamento com os países mais opressores aos cristãos. Conforme informações do portal CPADNews, graças às ações violentas do Boko Haram, a Nigéria figura entre os dez primeiros colocados do ranking. O grupo luta para estabelecer a sharia (lei islâmica) no país, além de condenar com veemência a educação ocidental, já que seus seguidores consideram que a mesma corrompe o Islã tradicional. Estimativas apontam que mais de 15 mil pessoas tenham sido mortas nos últimos cinco anos pelas mãos dos radicais no país.

Pouca repercussão internacional é preocupante

A ação do Boko Haram na Nigéria teve uma repercussão bastante discreta, se comparada ao ataque ao jornal Charlie Hebdo, em Paris. O próprio presidente da Nigéria, Goodluck Jonathan, apesar de ter prestado solidariedade ao povo francês nas redes sociais, não se manifestou em relação aos ataques locais. Os EUA, por sua vez, demoraram uma semana para divulgar nota sobre o assunto.

A omissão ao ataque na Nigéria levou o arcebispo Ignatius Kaigama, da cidade de Jos, a declarar à BBC que o combate ao extremismo requer o mesmo apoio internacional tanto na Europa como na Nigéria, Níger ou Camarões (países africanos alvos de ataques).

Há que se ressaltar, entretanto, que há diferenças significativas entre os dois casos. O acesso à informação, por exemplo, é muito maior em países como a França. Para se ter uma ideia, não há ainda qualquer registro fotográfico ou em vídeo da ação do Boko Haram, dada a dificuldade para a atuação de jornalistas no local. Todavia, ao mesmo tempo em que o mundo repudia os lamentáveis ataques às mesquitas na capital francesa, os cristãos nigerianos, atacados sistematicamente, precisam que a comunidade internacional volte seu olhar para uma realidade trágica e desconhecida por muitos. #Terrorismo #Religião